Após 20 dias de paralisação e tratativas, a Renault Brasil e as Centrais Sindicais chegaram a um acordo, nesta terça-feira (11), para a readmissão imediata dos 747 trabalhadores que foram demitidos há algumas semanas em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba. A negociação teve intermédio da Secretaria Estadual da Justiça, Família e Trabalho (Sejuf) para a manutenção dos empregos.

LEIA TAMBÉM Funcionários da Renault em greve após demissão de 750 trabalhadores

O acordo também incluiu um pacote salarial de quatros anos na data base, com vigência de setembro de 2020 a agosto de 2024, com redução temporária dos períodos normais de trabalho, a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e abono salarial.

Segundo a Sejuf, a votação da proposta foi aprovada por 97% dos trabalhadores em assembleia on-line. Com isso, os colaboradores voltam ao expediente normal a partir desta quarta-feira (12). Um Plano de Demissão Voluntária (PDV), uma das soluções acordada durante as negociações, está sendo elaborado e deve ser concluído no dia 20 de agosto.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC), Sérgio Butka, apesar de difícil, foi possível estabelecer uma negociação com a Renault para construir uma proposta que garantisse a readmissão dos trabalhadores e um compromisso de manutenção dos empregos. “Tem sido a maior luta do sindicato atualmente. Para que fosse possível, apresentamos diversas alternativas que possibilitam tanto os empregos como as demandas da empresa. O que importa é o trabalhador poder ter mais tranquilidade para desenvolver sua função e produzir melhor”, disse o presidente.

De acordo com o secretário da Sejuf, Mauro Rockenbach, que acompanhou diariamente as tratativas, o diálogo entre sindicatos e Renault aconteceu de forma transparente até que se chegasse a um acordo que gerasse estabilidade a classe.

Já o presidente da Renault do Brasil, Ricardo Gondo, disse que a empresa sempre esteve aberta para as tratativas. “As bases do acordo coletivo aprovado respondem aos desafios de adequação de estrutura e de competitividade que a empresa já vinha buscando, com soluções como o PDV, flexibilidades, além de todos os aspectos de competitividade definidos até agosto de 2024”. 

Tudo on-line

A votação on-line começou às 14h desta terça-feira (11). A fábrica da Renault do Brasil em São José dos Pinhais estava paralisada há 21 dias. O principal motivo da paralisação foram as 747 demissões em julho. Após negociações com o SMC, no fim de semana, ficou decidido que os funcionários poderiam retornar à empresa, caso a proposta fosse aprovada em assembleia, o que ocorreu nesta tarde.

A votação foi feita por um sistema on-line desenvolvido pelo sindicato, que encaminhou a proposta fechada para os trabalhadores votarem.