Enfrentando uma semana em que registrou recordes diários de casos, mortes e da ocupação dos leitos exclusivos de UTI para a covid-19, Curitiba registrou nesta quinta-feira (18) mais 54 casos e três novas mortes provocadas pelo novo coronavírus. Com a atualização do boletim epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a capital soma 2.543 casos confirmados e 97 mortes desde o início da pandemia, em 11 de março. Apesar do avanço da epidemia, o lockdown não faz parte dos planos da SMS para os próximos dias.

LEIA MAIS – Trabalhadores de hospitais terão prioridade de embarque nos ônibus de Curitiba

A boa notícia anunciada pelo boletim é que 1.541 curitibanos e moradores da cidade já estão recuperados e sem sintomas da covid-19. Conforme os dados desta quinta-feira, Curitiba ainda tem 427 casos em investigação e outras 2.558 pessoas que tinham suspeita da doença testaram negativo.

Vítimas fatais

Perderam a batalha para o novo coronavírus em Curitiba um homem de 72 anos e duas mulheres, de 88 e 93 anos. As vítimas, todas idosas e com histórico de doenças crônicas, morreram, de acordo com a SMS, após complicações em decorrência da contaminação com o novo coronavírus. Duas mortes ocorreram nesta quinta-feira (18) e uma no dia anterior, na quarta (17).

VIU ESSA? – “Vacina contra coronavírus é bom senso”, apela Ratinho Jr pra tentar evitar medidas drásticas

Na capital, além das 97 mortes confirmadas por covid-19, outros 368 óbitos foram analisados e descartados e 12 ainda são investigados.

Pacientes internados

Em Curitiba, 581 pessoas com diagnóstico de covid-19 precisaram ser hospitalizados ao longo dos últimos três meses. Hoje, 427 pacientes com sintomas respiratórios estão internados em hospitais públicos e privados de Curitiba, aguardando os resultados dos exames. A taxa de ocupação de UTI SUS exclusivas para covid-19 nesta quinta-feira é de 75%, dos 223 leitos ativados na capital paranaense.

Vai ter lockdown?

Durante a transmissão do boletim, a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak informou que a possibilidade de adotar a bandeira vermelha e o lockdown – medida restritiva que fecha todos os estabelecimentos que não oferecem serviços essenciais – está descartada, no momento, em Curitiba.

Segundo Márcia, esta possibilidade, que tem sido levantada e compartilhada nas redes sociais, não é confirmada pela Prefeitura de Curitiba e trata-se de fake news. “Nas redes sociais o pessoal tá falando que nós vamos decretar aí ‘o fecha tudo em Curitiba’, bandeira vermelha. Então, só para orientar todo mundo, nós estamos com a bandeira laranja, não tem bandeira vermelha”, afirma Márcia, que complementa.

LEIA MAIS – “Vidas não voltam”, diz secretária ao falar sobre covid-19 ao pedir mais uma vez ajuda da população de Curitiba

“A menos que a gente tem uma catástrofe amanhã, com um grande número de casos, que parece que não é o caso, porque a gente monitora a entrada, de UPA, unidades e hospitais, nós vamos permanecer ainda na bandeira laranja. Tem muita fake news, as pessoas estão um pouco ansiosas, temerosas e inseguras. Mas mesmo com os dados dessa semana, ainda permanecemos na bandeira laranja. Não vejo nenhuma situação que faça a gente mudar na próxima semana da cor laranja”, finaliza a secretária, pedindo para que as pessoas não descuidem dos cuidados e que façam o distanciamento social.

BOLETIM SOBRE O CORONAVÍRUS ⚠

BOLETIM SOBRE O CORONAVÍRUS ⚠ Acompanhe ao vivo o boletim de informações sobre o coronavírus com a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak e a médica infectologista Marion Burger. Tradução em Libras por Sônia de Paula.

Posted by Prefeitura de Curitiba on Thursday, June 18, 2020

A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?


Coronavírus no Brasil