As mortes de mais nove moradores de Curitiba que testaram positivo para coronavírus foram confirmadas nesta sexta-feira (18). Além dos novos óbitos, também houve a divulgação de mais 320 casos confirmados na capital paranaense. Com a atualização do dados da pandemia pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Curitiba atingiu a soma 1.178 mortes e 40.356 pacientes infectados com o Sars-CoV-2, desde o mês de março. O número de mortes e casos caiu em comparação com o boletim do dia anterior, que contava com o acréscimo de 13 óbitos e 405 infectados.

LEIA MAIS – Enquanto a vacina contra o coronavírus não chega, vacine seu filho contra pólio e outras doenças

Durante a transmissão do boletim desta sexta-feira, pelo YouTube, a secretária municipal de Saúde, Márcia Huçulak informou que a bandeira laranja – que retornou no último dia 7 com o decreto 1.160 – e está em vigor até o próximo domingo (20), será prorrogada por mais sete dias.

Pacientes recuperados e em fase ativa

O boletim epidemiológico municipal ainda revela que 34.579 pacientes já estão recuperados da doença, no entanto, 4.599 habitantes da cidade seguem na fase ativa e de transmissão da doença. E outras 584 pessoas que apresentam sintomas suspeitos de covid-19 são acompanhadas e aguardam a definição do diagnóstico ou o resultado dos exames.

Vítimas da covid-19

As novas vítimas da covid-19 em Curitiba são três homens e seis mulheres, que tinham entre 52 e 74 anos de idade. Seis destas mortes ocorreram nas últimas 48 horas e as outras três, entre os dias 10 e 15 de setembro. Dentre as vítimas, apenas duas pessoas tinham menos de 60 anos, mas todas possuíam fatores de risco para complicações pela infecção.

LEIA AINDA – Quadro atual da pandemia em Curitiba força Colégio Militar a adiar volta às aulas

Nos hospitais de Curitiba

Em Curitiba, 83% dos 334 leitos de UTIs exclusivos para covid-19 do Sistema Único de Saúde (SUS) estão ocupados nesta sexta-feira. A prefeitura ainda informa que há hoje 56 leitos do SUS livres nos hospitais da cidade, que podem receber pacientes com novo coronavírus ou com sintomas de síndromes respiratórias agudas graves (SRAG).

Coronavírus no Brasil