Ausente das redes sociais nos últimos anos, o ex-deputado Fernando Carli Filho voltou a movimentar sua conta no Facebook a partir do último dia 23 de outubro, com participação direta na campanha de Celso Goés (Cidadania) à prefeitura de Guarapuava. Entre 2016 e setembro deste ano, o ex-deputado havia usado sua conta no Facebook apenas cinco vezes.

A partir de 23 de outubro, no entanto, a conta passou a ser movimentada quase que diariamente com postagens de campanha. Carli Filho também tem ido às ruas pedir voto para Góes.

+ Leia mais: Tempestade de granizo destelha casas e causa prejuízos em bairros de Curitiba; Imagens impressionam

“Estou apoiando o Celso Goés como um cidadão que acredita ser ele o melhor para nossa cidade”, contou à coluna. O candidato a vice de Goes é Samuel Ribas (PSD), primo de Carli Filho. “Então há um envolvimento, mas não vislumbro nenhum cargo eletivo, mandato de deputado, nada disso, se essa for sua curiosidade”, disse.

O apoio da família Ribas Carli, indicando o candidato a vice do Cidadania, partido do prefeito Cesar Silvestri Filho, consolida a aproximação das duas famílias que protagonizam a política na cidade, e que, muitas vezes, estiveram em lados opostos.

+ Veja também: Coritiba se solidariza e condena caso de “estupro culposo”

“Quando meu pai foi prefeito de Guarapuava pela primeira vez, em 1989, o ex-deputado César Silvestri foi seu vice. A caminhada começou juntos. E foi retomada com a união das forças políticas de Guarapuva, com a ajuda de meu irmão Bernardo. Ele uniu os grupos políticos em prol o desenvolvimento de nossa cidade. Esse era o sonho dele. Deus o levou antes disso se completar”, disse.

Caso polêmico

Foto: Alexandre Mazzo / Arquivo

Em 2009, o então deputado Carli Filho se envolveu em um acidente que vitimou os jovens Gilmar Yared e Carlos Murilo de Almeida. Carli estava embriagado e em alta velocidade, conforme comprovado em julgamento. Ele foi condenado por duplo homicídio, com dolo eventual, dezenas de recursos e quase dez anos depois.

Por falta de vagas no regime semiaberto (que estabelece o direito a passar o dia fora da prisão e as noites no presídio), a Justiça determinou que ele fosse monitorado por tornozeleira eletrônica. Carli ficou apenas 4 dias na Penitenciária Estadual de Guarapuava (PEG).