enkontra.com
Fechar busca

Paraná

Nova pena

Carli Filho vai cumprir sentença pela morte de dois no trânsito com tornozeleira eletrônica

Segundo análise do Tribunal de Justiça do Paraná, pena de Carli Filho caiu para 7 anos, 4 meses e 20 dias, o que permite regime semiaberto

  • Por Katia Brembatti - Gazeta do Povo
Foto: Arquivo/Tribuna do Paraná.
Foto: Arquivo/Tribuna do Paraná.

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná concluiu na noite desta quinta-feira (7) a análise do caso do ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho, no julgamento da apelação realizado em dezembro, mas que estava pendente de redação final. Naquela ocasião, os magistrados concordaram com a defesa e diminuíram a pena que havia sida aplicada pelo júri, em fevereiro do ano passado. Com a decisão, Carli Filho escapou do regime fechado (penitenciária) pelas mortes de Carlos Murilo de Almeida e Gilmar Rafael Yared, em colisão de trânsito em maio de 2009. Houve, porém, uma dúvida sobre o tempo exato da punição ao ex-deputado.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná! 

Em fevereiro de 2018, o júri popular havia condenado Carli Filho por duplo homicídio com dolo eventual, quando se assume o risco de matar, no caso por estar embriagado e dirigir em alta velocidade. O juiz daquele julgamento, Daniel Surdi de Avelar, calculara a pena em 9 anos e 4 meses – o que representaria cumprimento em regime fechado, aplicado nos casos superiores a 8 anos de punição.

+Leia mais! Condenado a mais de 7 anos por duplo homicídio, Carli Filho escapa de ir para a prisão

A defesa contestou a sentença e pediu a diminuição da pena – a apelação não avaliou se Carli Filho deveria ser condenado ou se é inocente, o que já tinha sido feito pelo júri, que é soberano. Nesse segundo momento, no fim do ano passado, os magistrados apenas analisaram se o julgamento seguiu o rito legal e se o cálculo da pena foi adequado. Foi justamente na dosimetria da pena que houve a divergência.

O relator do caso, o juiz substituto Naor Ribeiro de Macedo Neto, considerou parcialmente válidos tanto argumentos de defesa e de acusação e calculou a pena nos mesmos patamares que tinham sido aplicados durante o júri popular: 9 anos e 4 meses de prisão. Contudo, os dois outros magistrados que participaram do quórum da votação – os desembargadores Clayton Camargo e Miguel Kfouri Neto – decidiram pela redução da pena a menos de 8 anos de prisão.

+Caso Carli Filho! Acompanhe todas as notícias a respeito do julgamento de Carli Filho

Eles divergiram sobre o tamanho da punição. Clayton Camargo considerou a pena mínima, que era de 7 anos para o caso; Kfouri Neto queria aplicar 7 anos, 4 meses e 20 dias. A partir do impasse começou um debate sobre questões jurídicas, como os conceitos de voto vencedor e voto médio. Kfouri pediu vista do processo para avaliar como deveria ser lavrado o acórdão.

Essa discussão formal é que foi resolvida nesta quinta-feira. Em busca de um consenso, Camargo cedeu ao entendimento de Kfouri, concluindo pelo voto médio. Assim, a pena ficou fixada em 7 anos, 4 meses e 20 dias. A redação final da decisão é importante para definir os termos dos eventuais recursos a serem apresentados. Ainda que a assistência da acusação e o Ministério Público possam levar o caso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), a pena não pode mais ser aumentada.

Carli Filho vai usar tornozeleira eletrônica

A pena aplicada representa cumprimento em regime semiaberto. Como não há vagas nesse sistema em número suficiente nem mesmo para quem está em presídio e ganha o direito de progressão de pena, os sentenciados ao semiaberto passam a usar tornozeleira eletrônica. Os detalhes da execução da sentença ainda não foram divulgados.

A partir do entendimento judicial para cumprimento da pena a partir de decisão de segunda instância, Carli Filho está sujeito à execução da sentença. Contudo, isso ainda deve demorar. É que depois do julgamento, ainda precisa ser lavrado o acórdão (redigida a decisão) e depois publicada no diário oficial da Justiça – e isso costuma levar um tempo. Além disso, é praxe que as partes entrem com um embargo de declaração – recurso para esclarecer os termos do acórdão – e só depois de analisado o pedido é que a decisão passa a ter efeito.

 

 

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

37 Comentários em "Carli Filho vai cumprir sentença pela morte de dois no trânsito com tornozeleira eletrônica"


VivaoBrasil
VivaoBrasil
2 meses 16 dias atrás

Gostaria de ver o resultado do julgamento se fosse o contrário. Que o “ilustre” deputado tivesse morrido, atropelado por alguém (que não fosse rico) em alta velocidade. Qual seria a punição ?

MAIOR DO ESTADO
MAIOR DO ESTADO
2 meses 17 dias atrás

a yared ganhou uma gorda indenização… no mínimo 20 anos de mandato mamando sem fazer nada através do voto dos trouxas que sentiram pena dela e acharam que ela ia lutar por algo..

já a outra mãe… essa coitada ficou no limbo…

VivaoBrasil
VivaoBrasil
2 meses 16 dias atrás

A “outra mãe”, que você nem sabe o nome, não quis “brigar”. Se não fosse “a yared” este filhinho de papai sairia livre e não teria punição nenhuma.

Paulo  tricolor com orgulho
Paulo tricolor com orgulho
2 meses 17 dias atrás

A justiça brasileira é uma vergonha. O cara é rico e de família rica daí acontece isso. Se fosse pobre já estaria preso desde o dia do crime. Outra coisa tornozeleira eletrônica e nada é a mesma coisa, já encontraram em cachorros e cavalos.

Verdão O Maioral do Estado
Verdão O Maioral do Estado
2 meses 17 dias atrás

E dizem que existe justiça… AHHHHH… Váaaaaa pra….

Tiago Ribas
Tiago Ribas
2 meses 17 dias atrás

Tanta repercussão e gastos com tempo e processo para terminar em uma tornozeleira eletrônica..

1 2 3 7
wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas