O cacique Valdir dos Santos, da reserva indígena de Mangueirinha, no sudoeste do Paraná, ameaça retirar à força um grupo de indígenas que contesta sua autoridade e, segundo ele, está derrubando araucárias. Ontem (20) à noite o carro que transportava o cacique foi atingido por diversos disparos, quando chegava à reserva. Ninguém ficou ferido.

Em outubro do ano passado, sete famílias foram expulsas da aldeia, que abriga guaranis e caingangues, por causa do furto de madeira. O cacique Santos enfrenta um motim liderado por Vilson Paliano, que se intitula cacique, mas não tem o reconhecimento da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Santos diz que Paliano lidera 20 das 420 famílias da reserva. Paliano garante que seus liderados são 150. A reserva tem 17.300 hectares e é considerada o local que concentra o maior número de araucárias do mundo. Santos acusa os rebelados de terem derrubado nas últimas semanas pelo menos 100 árvores. O rival Paliano nega a acusação.

Santos e Paliano reuniram-se hoje, separadamente, com a procuradora da República em Pato Branco, Daniella Dias de Almeida Sueira. Santos disse que montaria um acampamento a menos de 50 metros dos amotinados e que, se o grupo não for removido ou deixar a reserva voluntariamente, será expulso à força.