O processo de beatificação do papa João Paulo II teve início no último fim de semana com a afixação de um edital de convocação de testemunhas nas portas de entrada das dioceses de Roma e de Cracóvia (Polônia).

Segundo o cardeal Camillo Ruini, vigário de Roma, o edito conclama possíveis testemunhas da santidade de João Paulo a falarem e pede às pessoas que possuem manuscritos, cartas e outros documentos para os entregarem ao Vaticano.

O edital, que foi assinado pelo próprio Ruini, ficará pregado nas portas das duas dioceses por dois meses. Segundo Ruini, o edital responde aos "sensacionais pedidos" para que João Paulo fosse declarado santo que surgiram depois de sua morte em 2 de abril último.

No último dia 13, o papa Bento XVI anunciou que havia decidido acelerar o processo de uma possível santidade de João Paulo II, nascido na Polônia, sem levar em consideração o período de cinco anos depois da morte do candidato.

Mesmo assim, serão necessários vários anos para que o Vaticano reúna todos os escritos de João Paulo e escute todas as testemunhas sobre suas virtudes. Para que seja finalmente beatificado, será preciso comprovar um milagre atribuído depois da morte de João Paulo. E ainda: após sua beatificação, será necessária a comprovação de um segundo milagre antes que possa ser canonizado.