O Conselho Monetário Nacional aprovou hoje resolução para melhor controlar e dar transparência às auditorias realizadas nas instituições financeiras. Pela resolução, as empresas de auditoria precisariam, entre outras coisas, ser trocadas a cada cinco anos. Os auditores, além de participar de cursos, terão que ser aprovados pelo Conselho Federal de Contabilidade.

As instituições que tenham patrimônio de referência igual ou superior a R$ 200 milhões vão ter que constituir um comitê de auditoria para definir as condições a serem observadas pelos membros e enumerar a contratação ou substituição do auditor independente. Segundo o diretor de Normas do Banco Central, Sérgio Darci, ele já vinha estudando o assunto há dez anos, mas o caso Enron, que maquiou os balanços nos Estados Unidos, deu impulso à decisão. O prazo para adaptação à nova resolução vai até o dia 31 de dezembro deste ano. Daniel Lima