Nesta sexta-feira, os jurados devem definir o futuro de Gil Rugai, confrontando as falhas periciais apontadas durante todo o julgamento com testemunhos contundentes que colocam o réu na cena do crime.

Do lado da acusação, pelo menos três depoimentos apontam o acusado como autor dos assassinatos. O encontro da arma do crime no prédio de Rugai será explorado pelo promotor Rogério Zagallo. Pelo lado da defesa, a ideia é levantar dúvidas na cabeça dos jurados por causa das falhas na investigação – incluindo o uso do vídeo da perícia em que se usa o pé trocado de Gil Rugai. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.