Presente em mais de 25% da população mundial, a doença hepática gordurosa não alcoólica é o agravo mais comum do fígado. Segundo especialistas, a incidência da condição, também conhecida como esteatose hepática, tem crescido de forma relevante porque está relacionada a um estilo de vida não saudável -característica muito forte da vida ocidental moderna.

Sedentarismo, alimentação inadequada e baseada em alimentos ultraprocessados e estresse contribuem para doenças como obesidade, diabetes e hipertensão, que, combinados, são fatores de risco para a esteatose. A doença ocorre quando as células do fígado acumulam triglicerídeos em excesso e o volume do órgão passa a ser formado por mais que 5% de gordura.

+ Leia mais: Ex-comandante geral da PM morre após parada cardiorespiratória em lanchonete do Batel

“Hoje vivemos uma pandemia de esteatose porque temos uma epidemia de obesidade”, afirma Amélio Godoy Matos, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Segundo ele, 88% das pessoas com alto índice de gordura no fígado têm sobrepeso ou obesidade.

A doença hépática gordurosa representa um espectro. Ela começa com a esteatose e pode evoluir para esteato-hepatite (inflamação do fígado que, em nível mais avançado, pode apresentar fibrose), cirrose e até câncer. Cerca de 2% dos que têm a doença evoluem para o carcinoma.

De acordo com Claudia Oliveira, professora da Faculdade de Medicina da USP e membro da Sociedade Brasileira de Hepatologia, essa é uma doença silenciosa: nas fases iniciais, não apresenta sintomas, e leva, em média, mais de uma década para chegar ao estágio de esteato-hepatite. Apesar de não apresentar sintomas, o aumento a gordura no fígado está associado a riscos cardiovasculares, como infarto e AVC.

Manter um estilo de vida saudável é a principal forma de prevenção e tratamento da doença, segundo os especialistas. Praticar atividade física e ter uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, carnes magras, cereais e bastante água são passos iniciais para isso, afirma Liliana Paula Bricarello, colaboradora federal do Conselho Federal de Nutricionistas.

+ Veja também: Paraná terá toque de recolher pra conter avanço da covid-19. Decreto sai até quarta

“Essa é uma recomendação para toda a população, mas, para quem tem esteatose, é essencial que tire da dieta os alimentos cheios de açúcares, sal e gordura, especialmente gordura trans.”

Quando detectada em estados iniciais, a esteatose tem cura baseada especialmente nesses cuidados de estilo de vida. Segundo Matos, já há melhora significativa do quadro da doença quando a pessoa perde de 7% a 10% do peso. Em casos mais graves de comprometimento do fígado, contudo, pode ser necessário até um transplante do órgão.

Monitoramento da doença deve ser feito regularmente Como a doença hepática gordurosa não apresenta sintomas, pessoas que apresentam fatores de risco como circunferência abdominal aumentada (maior que 90 cm para homens e 80 cm para mulheres), diabetes, hipertensão devem monitorar ativamente a condição do fígado.

Mais de 90% dos pacientes, segundo Claudia Oliveira, professora da Faculdade de Medicina da USP e membro da SBH (Sociedade Brasileira de Hepatologia), são assintomáticos. Por isso, muitas vezes o diagnóstico da doença é feito por acaso, após uma ultrassonografia da bexiga, por exemplo.

“Só há sintomas em doença do fígado quando a pessoa já tá com uma cirrose descompensada e apresenta aumento do volume abdominal, sangramento. Isso já é mais grave e tem indicação de transplante, por isso que a gente sempre recomenda a pesquisa nos check-up.”

A médica indica que pacientes com fatores de risco devem solicitar ao médico -clínico geral ou endocrinologista- o exame de ultrassom do fígado e exame de sangue com análise de enzimas do órgão. Em casos mais avançados da doença, o médico pode solicitar também uma biópsia para avaliar o nível de comprometimento.

“Se tem um risco maior de fibrose, esse paciente tem que ser encaminhado a um hepatologista, que é o médico indicado para esses casos”, ela diz.