Brasília (AE) – O procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza, disse ontem que vai pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) que determine a realização de novas investigações para embasar o inquérito que tramita no órgão sobre o suposto pagamento de mesadas a parlamentares. Alegando que o inquérito tramita em sigilo, Souza não quis especificar quais serão essas diligências. No entanto, ele sinalizou que poderão ser solicitadas quebras de sigilo e tomadas de depoimentos. ?Na manifestação que eu vou fazer, vou indicar diligências me referindo a pessoas, contas?, disse.

O procurador afirmou que as diligências serão cumpridas basicamente pela Polícia Federal, pelo Instituto de Criminalística e outros órgão de apoio. Indagado se vai requisitar a quebra dos sigilos do publicitário Duda Mendonça, Souza resistiu a responder: ?Eu não vou dizer nada sobre o que eu vou pedir. No caso desse inquérito, há uma decisão judicial no sentido de que todo o inquérito é sigiloso. Não apenas os documentos que são levados ao inquérito. Então eu observo essas restrições?. Souza sinalizou que concorda com a decisão do ministro relator do inquérito, Joaquim Barbosa, que decretou o sigilo do caso. ?A razão (do sigilo) é de que no momento em que não está definida a atuação de certas pessoas, mas que já existem nos autos documentos que dizem respeito à vida privada de certas pessoas, que podem não ter nenhuma participação nos fatos. Então o ministro resolveu manter o sigilo?, afirmou.