Lucimar do Carmo/O Estado

Situação das estradas preocupa Lula.

Depois de descansar por quatro dias em Salvador e ignorar a crise dos aeroportos, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu mostrar trabalho. Ele terá hoje reunião com os ministros de Minas e Energia, Silas Rondeau, e dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, para determinar prioridades para obras de infra-estrutura em andamento ou que terão que ser construídas. O presidente avisou que reformas de estradas, portos e hidrelétricas devem ter ?total prioridade?. Lula quer dar início às visitas a elas o mais rápido que puder, se possível, nesta semana.

Esse foi o principal assunto tratado na reunião do presidente com os ministros Guido Mantega (Planejamento), Márcio Thomaz Bastos (Justiça) e Luiz Dulci (Secretaria-Geral da Presidência). A ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), que também integra o Conselho Político do presidente, não participou porque está gripada; Tarso Genro, o quinto representante do grupo, está de férias. Lula comunicou ainda que, para evitar perda de tempo, quer ter uma conversa nesta semana com a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, e com o presidente do Instituto Brasileiro dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Marcus Barros. Com estes dois últimos, pretende exigir que sejam rápidos na solução dos obstáculos para as obras relativos ao meio ambiente.

Lula se disse preocupado, principalmente com a situação das estradas federais. Durante a campanha eleitoral, seu adversário Geraldo Alckmin (PSDB) muito o criticou, porque a operação tapa-buracos feita no início do ano já dá sinais de grandes desgastes. Estradas federais arrumadas há menos de um ano já apresentam buraqueira semelhante à que havia levado o caos às rodovias no final de 2005. Na operação tapa-buracos o governo gastou mais de R$ 540 milhões, sem licitação. O Tribunal de Contas da União (TCU) apura desvio de dinheiro e superfaturamento em vários trechos.

Congresso

Na reunião de ontem, Lula falou ainda das relações com o Congresso. Disse que tem informações que indicam a possibilidade de votação, ainda nesta semana, dos projetos do fundo de desenvolvimento para a educação básica (Fundeb), e da Lei Geral das Micros e Pequenas Empresas. O Fundeb, que substituirá o Fundef (que cuida da educação fundamental, criado durante o governo de Fernando Henrique Cardoso), já foi aprovado pelo Senado; o das microempresas, aprovado pela Câmara, aguarda votação dos senadores.