Brasília – O presidente eleito do Supremo Tribunal Federal, Nelson Jobim, considerou muito radical a proposta do senador César Borges (PFL-BA), que pretende alterar a lei contra a corrupção eleitoral. A proposta, apoiada por todos os partidos no Senado, evita a cassação imediata dos candidatos eleitos que comprovadamente tenham abusado do poder econômico ou fizeram promessas de doar bens ou vantagens a quem votar em seu nome. Pela texto do senador baiano, o afastamento só ocorreria após a sentença final do poder judiciário. Jobim argumentou ontem, em café da manhã com os senadores, que a média de tramitação dos processos eleitorais no Brasil é de cinco a seis anos, prazo maior do que os mandatos do Poder Executivo e Legislativo, com exceção dos senadores, que têm oito anos.