Rio – O agricultor Luiz Fernando Guaraná, 37 anos, embarcou ontem às 9h15 numa aventura que, se depender dele, vai durar 142 dias. A viagem, ele já fez: enterrou-se numa espécie de caixão a 1,90 metro de profundidade em plena Avenida Brasil, junto à Vila do João. Será lá que Guaraná, o Homem-Tatu, espera bater o recorde mundial de permanência num buraco, que, atesta o Guinness, é de 141 dias. Em 2002, tentativa fracassada: apenas 12 dias na solitária. Antes do início da empreitada, máquinas cavaram a nova casa do Homem-Tatu, que mora na Vila dos Pinheiros, ali perto. Em volta do buraco, foi passado piche para evitar que a umidade chegue ao caixão feito de madeirite e isopor, para manter a temperatura. O ar será renovado por uma câmera de 10 centímetros de diâmetro. O cubículo de Luiz Fernando é equipado com colchão, ventilador, luz e livros.