O ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Franklin Martins, defendeu nesta quarta-feira (27), em audiência na Câmara dos Deputados, um orçamento livre de cortes para a TV Brasil, a rede de televisão pública que deverá entrar em operação no fim do ano. "Estamos procurando um modelo de financiamento que dê independência à TV pública", afirmou.

O ministro disse que está conversando com a equipe econômica do governo para encontrar uma maneira de tornar essa independência viável. "É preciso haver mecanismos que impeçam que a torneirinha dos recursos esteja nas mãos do Palácio, senão um belo dia ele fecha e coloca a TV pública em uma situação desagradável", afirmou. A idéia é que a TV Brasil comece a operar com um orçamento anual de R$ 350 milhões. Deste total, R$ 200 milhões viriam do orçamento conjunto da Radiobrás e da Fundação Roquete Pinto.

Franklin Martins informou que estão sendo estudadas possibilidades para compor esse orçamento, como a utilização de recursos de fundos já existentes e patrocínio de empresas que queiram associar sua imagem a determinados programas. O formato final será detalhado em projeto de lei ou medida provisória que vai ao Congresso em agosto. "A lei tem que ser peremptória para que os recursos da TV pública não sejam submetidos a contingenciamento", reforçou.