Um caminhão se acidenta a cada 5 minutos nas estradas federais. É o que mostra um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), com base em dados revisados recentemente pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). Também foi feito um ranking de gravidade das rodovias, que aponta a Fernão Dias como a pior estrada do País. No Estado de São Paulo, porém, os trechos mais críticos estão na Régis Bittencourt.

De acordo com o Ipea, a diminuição na quantidade de acidentes e o aumento no número de mortos indicam que a gravidade dos desastres nas estradas aumentou. E as más condições das rodovias brasileiras, somadas à imprudência dos motoristas, levam a outro recorde negativo: segundo o sistema de informações de morbi-mortalidade do Ministério da Saúde, são registradas no País 35 mil mortes na área de transporte por ano. Há 4 por hora, uma a cada 15 minutos.

Em 12 meses – segundo semestre de 2004 e primeiro semestre de 2005 -, foram registrados 110.086 acidentes envolvendo caminhões. Esse número diminuiu em comparação ao período anterior, que teve 112.457. Em compensação, foram registradas 6.346 vítimas fatais, ante 6.119 no mesmo período dos anos anteriores. A quantidade de feridos também cresceu: de 66.117 para 68.524.

Essa estatística do governo federal leva em conta ainda acidentes com transporte aéreo e hidroviário. Mas o impacto de vítimas fatais nessas duas modalidades é pequeno na análise geral: no período de um ano, somaram aproximadamente 200 mortes. Os acidentes com transporte são a segunda maior causa externa de morte no País. Perdem somente para as agressões.