No primeiro dia do julgamento do ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes de Souza, acusado de sequestro, cárcere privado e assassinato de sua ex-amante Eliza Samúdio, com quem teve um filho, a defesa admitiu, o sequestro de Eliza. Mas afirmou que ela foi embora do sítio do ex-goleiro, para onde teria sido levada após ter recebido dinheiro do atleta.

Com o objetivo de derrubar a tese da acusação, a defesa do ex-goleiro fala em irregularidades no processo e cogita até mesmo anular o júri. “Para mim é muito cômodo: se eu ganhar, ganhei, se não, anulo”, disse o advogado Lúcio Adolfo da Silva. Os defensores do caso foram ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo. Bruno está preso há 971 dias, em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde também está sendo realizado o julgamento.