Brasília – Em um pronunciamento conjunto ontem, em Brasília, os presidentes do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e da Argentina, Néstor Kirchner, anunciaram avanços para as criações do Parlamento do Mercosul, do Instituto Monetário e do Instituto Social, que ampliariam a integração entre os vizinhos sul-americanos.

Segundo o presidente brasileiro, os dois países evoluíram muito nas negociações para a criação do parlamento “em um prazo relativamente breve”. Ele afirmou também que a palavra “integração” deve deixar de ser usada somente em campanhas eleitorais para se transformar em “ações concretas”, especialmente a “integração física”. “A boa integração e a boa relação entre os dois países é o que pode despertar em nossos irmãos da América do Sul a idéia de que a integração deixa de ser palavra de discurso em campanhas eleitorais para se tornar uma ação concreta”, disse Lula. “Não haverá integração sem estradas, sem pontes, sem ferrovias, sem a convicção política dos dois governos.”

Kirchner endossou o discurso de Lula e declarou que a criação do parlamento é uma das alternativas para a consolidação do bloco. Esta é a primeira viagem do presidente argentino depois de eleito. Ele está acompanhado dos ministros da Economia, Roberto Lavagna, e Relações Exteriores, Rafael Bielsa, além de sua mulher, a primeira-dama Cristina Fernandez Kirchner.