São Paulo – Já na condição de presidente eleito do PT, o deputado Ricardo Berzoini (SP), candidato do Campo Majoritário, defendeu os deputados petistas ameaçados de perder seus mandatos e fez nova menção aos tucanos que, segundo ele, também fizeram uso de caixa dois nas campanhas eleitorais. Ele afirmou que os petistas não aceitarão punições dirigidas e que vão cobrar que todos os casos de caixa dois tenham o mesmo tratamento.

Segundo Berzoini, o País não vive uma cruzada entre a legalidade e a ilegalidade ou entre a moralidade e a imoralidade, mas sim uma luta política onde há rigor quando se trata do PT e de seus aliados e tolerância quando envolve a oposição. Berzoini criticou o comportamento do PSDB no episódio e cobrou coerência dos integrantes da CPMI dos Correios.

"O que há é uma disputa política clara. O PSDB trata os deputados do PT como criminosos e mantém o senador Eduardo Azeredo (MG) na presidência do partido", atacou Berzoini, referindo-se à denúncia de que Azeredo também usou recursos do esquema de Marcos Valério. Berzoini, que recebeu os parabéns no plenário do deputado José Dirceu (PT-SP), que o presenteou com uma cigarilha da marca "Bolivar", disse que o partido vai lutar para garantir o direito de defesa e o respeito ao devido processo legal para os deputados do PT que vão responder a processo por quebra do decoro parlamentar no Conselho de Ética.

Lembrou que os deputados foram eleitos pelo voto popular e, por respeito aos eleitores, não se pode punir ninguém sem provas de que eles tenham praticado um ilícito.

"As punições têm que estar baseadas em provas. Não pode haver punição dirigida. Se o critério é caixa dois, os envolvidos devem ter penalidade igual", afirmou.

O presidente eleito do PT deixou claro que não pretende apresentar resolução ao diretório nacional para tirar a legenda dos petistas que renunciem ao mandato. Ele reafirmou que esta decisão cabe aos diretórios regionais.