Foto: Aliocha Maurício/O Estado

Marcos Pontes: "Eu tenho uma bagagem técnica e de relações internacionais muito boa e vou ter de achar uma posição para isso".

Duas semanas depois de chegar do espaço, onde cumpriu a missão que o transformou no primeiro astronauta brasileiro, o tenente-coronel Marcos Cesar Pontes já tem planos para o futuro. Um deles, contou ontem, durante visita à Base Aérea de Santa Cruz, é desenvolver um projeto social na área de educação. Outras duas alternativas que mais o agradam seria de gerenciar o programa da estação espacial internacional no Brasil ou trabalhar para a criação de um Instituto de Microgravidade no País. "Eu tenho certas paixões. Uma delas é a educação, no sentido de formar e dar oportunidades para as crianças, tanto no lado pessoal quanto profissional", disse após palestra na base aérea, onde chegou por volta de 9h30, pilotando um avião de caça AMX.

O discurso de Marcos Pontes vai de encontro à declaração dada por ele na sexta-feira, quando foi homenageado em sua cidade natal – Bauru (SP). O astronauta, na ocasião, não descartou seguir a carreira política. "Eu tenho uma bagagem técnica e de relações internacionais muito boa e vou ter de achar uma posição para isso. Mas, para a política, eu teria de me preparar antes. Se eu achar que isso é a melhor maneira de servir o Brasil, eu posso fazer isso."

Ele ressaltou no entanto que o próximo passo vai depender de um planejamento da Força Aérea Brasileira (FAB). Para uma platéia de cerca de 500 pessoas, formada por militares e ex-combatentes da guerra, Pontes contou detalhes dos oito anos de treinamento e também de sua viagem ao espaço. Ele confessou ter sentido medo. "O medo é uma emoção básica do ser humano. Mostra que você está alerta. Só se eu fosse louco ou se não soubesse o que estava fazendo eu não teria sentido medo", contou ele, que retorna na quarta-feira para a Rússia, onde vai realizar exames de saúde.

A visita de Pontes, à Base Aérea de Santa Cruz celebrou o Dia da Aviação de Caça. A data relembra a noite de 22 de abril de 1945, em que os pilotos da Força Aérea Brasileira (FAB) cumpriram o maior número de missões, na Segunda Guerra Mundial, e a solenidade acontece anualmente na base aérea que foi o berço do 1.º Grupo de Caça que lutou na campanha da Itália.

A agenda de visitas e homenagens do astronauta brasileiro prossegue amanhã, quando ele estará na Academia da Força Aérea, em Pirassununga (SP), para uma palestra com cadetes da Aeronáutica, e na capital paulista, onde receberá homenagem na sede da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp). Na terça-feira, ele visitará em São José dos Campos (SP) o Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial (CTA), o Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Na quarta-feira, o tenente-coronel Marcos Pontes retornará à Rússia, a fim de concluir o relatório de sua missão e se submeter a novos exames de saúde.