As usinas de açúcar e de álcool continuam a sustentar o crescimento do nível de emprego na indústria paulista. Segundo a pesquisa mensal de emprego da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), da alta de 1,09% em maio ante abril, 0,73 ponto porcentual corresponde a vagas criadas nesse setor. Foram 16,1 mil postos gerados no mês passado só pelas usinas, de um total de 24 mil no total da indústria paulista. No ano até maio, as usinas de açúcar e álcool participam com 73% de todo o emprego industrial gerado no Estado. Não por coincidência, os setores com pior desempenho no indicador são couro, calçados, fabricação de material eletrônico, vestuário e móveis, entre os contemplados com as medidas anunciadas hoje para compensar os efeitos negativos do real valorizado.

O nível de emprego apurado pela Fiesp vem registrando altas seguidas desde janeiro. E acumula, no ano, uma elevação de 6,66% sobre o total de dezembro, podendo se aproximar ou até superar o total de 2004. Naquele ano, considerado ótimo pela indústria, a variação foi positiva em 7,45%, com a criação de quase 145 mil postos. Em 2006, o emprego fechou negativo em 0,25%.

Além de açúcar e álcool, outro setor de destaque positivo no índice foi produtos alimentícios e bebidas, com alta de 3,34% em maio ante abril, puxado sobretudo pela fabricação de suco de laranja, segundo o diretor do Departamento de Estudos e Pesquisas Econômicas da Fiesp, Paulo Francini.