O maior exercício de Fernanda Machado nos dias de hoje é o de controlar o mau humor. Completamente envolvida com sua personagem de Alma Gêmea, a atriz confessa que sai das gravações com o mesmo semblante carregado de Dalila. Mas essa absorção das características da personagem não é à toa. Atualmente, a moça não faz outra coisa do que trabalhar. Quando não está no Projac – complexo de estúdios da Globo na zona oeste do Rio de Janeiro -, ela está em casa entretida com o estudo do texto da novela. Tudo para não fazer feio na pele de sua primeira "vilãzinha". "Ela é dissimulada, mentirosa, egoísta… mas posa de boa moça. Isso me permite mostrar dois lados do meu trabalho e deixar um ar de mistério ", explica a atriz.

Mas a empolgação de Fernanda não é só com o caráter duvidoso de Dalila. Pela primeira vez em uma trama de época, a atriz aproveita alguns intervalos de gravação para "paquerar" as roupas e sapatos de sua personagem. A única parte que considera chata é na hora do penteado. Isto porque para transformar o cabelo liso em cacheado, ela tem de ficar três dias sem lavar as belas madeixas. "Fico agoniada quando meu cabelo está sujo. Mas sei que é por uma boa causa", consola-se.

Nome: Fernanda Arrias Machado.

Nascimento: Em 10 de outubro de 1980, em Maringá, Paraná.

Momento marcante: "Agora. Sempre tive vontade de interpretar uma garota má e ambiciosa".

Ao que gosta de assistir na tevê: "A seriados como ´Sex and the City´ e ‘Friends’. Confesso também que estou virando noveleira".

Ao que não assistiria de jeito algum: "Programas sensacionalistas e de fofocas".

O que falta na tevê: "Misturar entretenimento e cultura".

O que gostaria que fosse reprisado: "A primeira versão do Sítio do Pica-Pau-Amarelo".

Atuação inesquecível: "A de Jessica Lange em Um Bonde Chamado Desejo, de Glenn Jordan".

Com quem gostaria de contracenar: Osmar Prado e Fernanda Montenegro.

Ator: Tony Ramos.

Atriz: Marília Pêra e Nicete Bruno.

Filme: Invasões Bárbaras, de Denys Arcand.

Música: "Só não gosto de pagode, axé e música sertaneja".

Livro: Carta ao Pai, de Franz Kafka.

Qualidade: "Ser batalhadora".

Defeito: "Ter preguiça de malhar e de cuidar da alimentação".

Mania: "De cortar meu próprio cabelo".

Personagem dos sonhos: "Fiz uma garota certinha em Começar de Novo, agora faço uma "vilãzinha". Seria ótimo se minha próxima personagem fosse uma tresloucada".

Vexame: "Já levei um tombão no palco. O jeito foi disfarçar e fingir que fazia parte da peça".

Arrependimento: "Só do dia em que saí de carro e bateram nele no estacionamento".