Quem nunca foi a um show na Pedreira Paulo Leminski e sentiu vontade de estar naquele palco, que é um dos maiores do país? Pois sabia que nesta semana, entre terça-feira (22) e domingo (27), vai ser possível, mas numa experiência bem diferente. Sucesso de crítica e público em todo mundo, o grupo argentino Fuerza Bruta desembarca em Curitiba com um espetáculo que já passou por mais de 40 países e que mistura teatro, dança, música e muito da arte numa infraestrutura inédita.

A estrutura faz com que o público embarque e se torne parte do espetáculo, portanto, não espere nada do tradicional palco e plateia. Para a apresentação, que dura pouco mais de uma hora, não existem assentos, nem lugares marcados, e você pode andar por todo o espaço enquanto o show acontece.

Durante o espetáculo, você fica fechado numa espécie de caixa escura e, aos poucos, é engolido por um universo de luzes, água e fumaça. Embora o espaço seja grande, já que o palco tem 500 metros quadrados e cada canto é explorado, desde as paredes até o teto, você sente que faz parte da estrutura, a começar pela piscina gigante, que fica presa a parte superior.

Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.
Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.

O que é o espetáculo?

“Força bruta é uma companhia de teatro, que tem esse espetáculo que leva o mesmo nome. O espetáculo inclui teatro aéreo, físico, dança, interação multisensorial, mas eu nunca gosto de explicar, é interessante a pessoa vir e experimentar. Porque para cada um é uma experiência diferente”, disse o brasileiro Yago Micall, que é de São Paulo e trabalha como artista da companhia.

Yago, que já rodou por várias regiões do mundo com o espetáculo, disse que quando foi assistir pela primeira vez demorou não só a entender o show em si, mas também a se entender dentro do que viu. “Não sabia se era uma peça, uma dança, se era circo, balada. E isso que foi o mais gostoso, porque vim de coração aberto e voltei com várias ideias”.

Ao todo, são aproximadamente 30 pessoas envolvidas em toda a produção, desde os artistas e técnicos até toda a parte que fica por trás das cenas. Entre os estrangeiros, a artista argentina Camila Taranto disse que é uma experiência parecida com o circo, mas de um jeito diferente. “É um trabalho pouco convencional, é meio que um circo porque viajamos ao redor do mundo e somos muitos trabalhando, mas funcionamos mesmo como uma grande família que vai vivendo e experimentando diferentes culturas”, comentou ela, que nunca tinha vindo a Curitiba antes. Veja a reportagem completa:

Experiência imersiva

Camila disse que a experiência, que acaba sendo 360º já que as cenas acontecem por todos os lados, é muito particular. “Para mim vai muito de cada um, porque cada pessoa sentirá algo diferente, experimentará algo diferente. Cada um pode ter um relato ou uma história particular. Por isso queremos que as pessoas se sintam a vontade”.

Já Yago define o espetáculo como uma forma de permitir que a mente vá longe. “A essência disso tudo, para mim, é de a gente se perder nessa energia. Se sentir no meio de tudo. Quem vier ver esse espetáculo tem que se sentir assim também: ter a autonomia de rodar, girar, gritar, dançar, se molhar. Eu acho que basicamente é isso, liberdade”.

Durante o espetáculo, os artistas usam de diversos artifícios, sempre atrelados a muita música, mas também ao esforço físico e muita dança. Não espere diálogos, mas vá pronto para se entregar e, se for o caso, até se permitir fazer parte de algumas das cenas.

O espetáculo fica em cartaz em Curitiba até domingo, na Pedreira Paulo Leminski. Os ingressos custam a partir de R$ 140 e podem ser comprados pelo site Alô Ingressos. Quer uma dica? Se você for assinante do Clube Gazeta do Povo tem desconto de 10% no valor dos ingressos. Veja algumas fotos de apenas alguns trechos da apresentação, pois o resto é surpresa:

Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.
Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.
Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.
Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.
Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.
Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.
Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.
Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.
Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.
Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.
Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.
Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.
Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.
Foto: Lucas Sarzi/Tribuna do Paraná.

Sertanejo com funk e sofrência? Entenda a parceria de Anitta e Marília Mendonça