A família de Gugu Liberato, que morreu nesta sexta, 22, aos 60 anos, em Orlando, nos Estados Unidos, informou que autorizou a doação de órgãos “atendendo uma vontade dele”.

“Gugu sempre refletiu sobre os verdadeiros valores da vida e o quão frágil ela se revela”, diz o comunicado assinado pela família e enviado para a imprensa nesta sexta, 22.

Neste sábado, 23, a assessoria de imprensa do apresentador divulgou nova nota em que ressalta que “todos os órgãos do apresentador foram doados. Segundo informações da equipe médica responsável, essa doação poderá beneficiar até 50 pessoas”.

Gugu Liberato caiu, na quarta, 21, de uma altura de quatro metros enquanto fazia um reparo no ar-condicionado no sótão da casa onde mora, na Flórida. Ele foi resgatado e internado no Orlando Health Medical Center.

Os exames iniciais constataram sangramento intracraniano. “Em virtude da gravidade neurológica, não foi indicado qualquer procedimento cirúrgico. Durante o período de observação foi constatada a ausência de atividade cerebral”, observa o texto.

A morte encefálica foi confirmada por Guilherme Lepski, neurocirurgião brasileiro chamado pela família, que após ver as imagens dos exames em detalhes, confirmou a irreversibilidade do quadro clínico diante da mãe do apresentador Maria do Céu, dos irmãos Amandio Augusto e Aparecida Liberato, e da mãe de seus filhos, Rose Miriam Di Matteo.

O corpo do apresentador deve chegar no Brasil até a próxima quinta, 28, de acordo com informações da assessoria de imprensa do apresentador. O velório será na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), mas a data ainda não foi confirmada.

A ideia da família, segundo a assessoria, é abrir o velório ao público que tanto apoiou Gugu durante sua carreira na TV. O sepultamento ocorrerá no jazigo da família no Cemitério do Morumbi, em São Paulo.

O governador de São Paulo, João Doria, decretou luto oficial de 3 dias em todo o Estado.