Foto: Divulgação

 Chalana está no repertório que Almir Sater apresentará.

Em menos de três anos, Almir descobriu que, definitivamente, não seria advogado. Na solidão que a cidade grande lhe impôs, encontrou na viola sua grande amiga e companheira, dedicando-se completamente ao instrumento. Um dia, por acaso, passando pelo Largo do Machado, reduto nordestino do Rio de Janeiro, Almir, ao ouvir as duplas regionalistas que se apresentavam, percebeu o que realmente importava na sua vida; não teve outra atitude, a não ser voltar para Campo Grande.

O contato com a gente da terra favoreceu a pesquisa de novos ritmos, novos sons da viola. Almir tornou-se um dos responsáveis pelo resgate da viola de 10 cordas, mais conhecida como viola caipira, base de criação da música caipira. Suas composições refletem o popular e o erudito de maneira ímpar, como jamais se ouviu na MPB.

Sua produção é intensa e apaixonada. A música flui de dentro do coração, do interior da alma. Mesmo tendo chegado à excelência técnica, Almir é um dos poucos que não deixou a emoção de lado. Por isso, o público, ao sair do show, tem a impressão de ter estado na sala de visitas do cantor, completamente à vontade. Almir Sater não despreza a técnica que se obtém com a eletrônica moderna e os efeitos dos sons de laboratório. Mas quando sobe ao palco, não existem montagens. Almir pega na viola e o som flui suave e naturalmente.

Em 1988, a crítica, na sua unanimidade, escolheu Almir para participar do Free Jazz Festival, juntamente com nomes sagrados da música mundial. O sucesso foi tamanho que Almir abriu o evento, no Rio de Janeiro, no ano seguinte. Daí para Nashiville-EUA, a meca da música country mundial, foi um passo.  A liberdade de ação junto aos músicos americanos foi rapidamente absorvida, o que resultou no LP Rasta Bonito, onde percebe-se claramente a mistura de sons, sem perder a integridade do instrumentista. Almir ganhou dois prêmios Sharp, com as canções Moura e Tocando em frente, gravada por Maria Bethania.

Em 1990, seu desempenho na novela Pantanal, da Rede Manchete, fez aumentar a publicidade em torno do já reconhecido músico Almir Sater. O grande sucesso o fez voltar à telinha em 1991, como protagonista da novela Ana Raio e Zé Trovão.

Em 1996, estrelou ao lado de Antônio Fagundes, a novela O rei do gado, convidado pelo próprio autor Benedito Rui Barbosa, exibida pela Rede Globo, como Pirilampo.

Serviço: Dia 15 /10 às 21h no Guairão, Praça Santos Andrade. Ingressos: R$ 50,00, R$ 40,00  R$ 30,00.