A defesa do Atlético é um dos destaque do time nesta campanha da Série B, que só ao final do primeiro turno conseguiu resgatar o futebol de resultados e voltou a brigar por uma das vagas na Série A do ano que vem.

O trio formado por Weverton, Manoel e Cleberson já mostrou que tem qualidade, ajudando o Furacão a ter a segunda melhor defesa da Série B ao lado do Joinville. Com 16 gols sofridos tem um a mais que o São Caetano. Com ajuda da dupla de zaga, Weverton tem uma média de 0,8 gol por jogo. Já fizeram juntos 15 jogos, sofrendo 13 gols neste período. O primeiro confronto dos três juntos foi contra o Goiás, dia 16 de junho, sem que a meta fosse vazada.

O camisa 1, com 24 anos é o mais velho do trio, veio para o Furacão em maio com a incumbência de dar mais experiência e vivência de Série B ao grupo. Substituto de Rodolfo, que era dono da posição, chegou sob desconfiança, mas ganhou seu espaço. E na vitória por 2 x 1 sobre o Paraná, no sábado passado, deu mais uma prova da boa escolha por sua contratação. E o arqueiro quer muito mais com a camisa rubro-negra.

“Eu sou um jogador que pensa em continuar muito tempo no Atlético-PR e, pra isso, tenho que ganhar títulos e clássicos. Por isso, acho importante essa vitória no um primeiro clássico”, afirmou Weverton.

Manoel, já consagrado como melhor defensor do time, desde 2010, vem repetindo as boas atuações, tem sido o guardião e o comandante da defesa. Com apenas 22 anos já tem uma larga experiência como defensor e é um dos poucos atletas que se mantém no time titular, mesmo com a inconstância dos treinadores. Nos últimos 20 meses, o Furacão já teve 10 comandos diferentes e Manoel segue como o dono da posição.

O ano de grande destaque de Manoel foi em 2010, quando formou dupla com Rhodolfo, hoje no São Paulo. Apesar de se manter constante nas atuações, só agora o zagueirão volta a sentir uma confiança grande num colega de posição.

“Eu, quando estava com o Rhodolfo, em 2010, estava em um momento muito bom. Agora, o Clebinho está subindo, tendo oportunidade. A gente encaixou e está jogando muito bem. Então, tudo isso é fruto de um trabalho muito bem feito”, comemora Manoel.

Mais novo do trio, Cleberson tem apenas 20 anos. Volante de ofício, foi improvisado por Juan Ramón Carrasco e se mostrou polivalente. Desbancou zagueiros experientes como Rafael Schmitz, de 31 anos, e Luiz Alberto, de 34. É o mais novo dos zagueiros atleticanos e ainda assim já um dos homens de confiança do elenco.