Expulso injustamente pelo árbitro Thiago Duarte Peixoto no clássico entre Corinthians e Palmeiras, no Itaquerão, Gabriel viveu um dos dias mais marcantes de sua carreira na quarta-feira. Na quinta, livre de suspensão, pois teve o cartão aplicado a ele anulado, deixou de lado a raiva que teve contra o juiz, lhe perdoou pelo erro crasso que poderia ter lhe causado a primeira expulsão na carreira e ainda virou conselheiro do árbitro.

“Diria para ele esfriar a cabeça, como disse, ele é humano e pode errar. Vi o depoimento dele, que ele queria continuar o trabalho. Acredito que vá continuar e quem sou eu para dizer que o Thiago tem que parar de apitar? Eu não posso falar isso. Aconselho ele a ficar tranquilo, rever o que errou e eu seguir minha vida também”, comentou.

Gabriel não foi alvo apenas do árbitro. Em diversos lances, jogadores do Palmeiras deram entradas duras no jogador e, nas redes sociais, choveram críticas dos palmeirenses e piadas dos corintianos em relação ao jogo.

A rivalidade com o Palmeiras também foi assunto do início da partida até muitas horas após o seu término. Tchê Tchê chegou a comemorar a expulsão de Gabriel, durante conversa com Moisés, pelas redes sociais. Depois, falou que era brincadeira, mas mesmo assim teve a resposta de Gabriel. “O respeito tem que ter um pelo outro. Isso vai da consciência de cada um e estou bem tranquilo quanto a isso”.

O próprio Gabriel xingou palmeirenses após a partida, em vídeo ao lado de outros atletas. Sobre o assunto, se esquivou e preferiu reforçar seu comprometimento com o Corinthians. “Era um momento de felicidade, uma coisa interna. Respeito todo os clubes que passei na carreira. Dou minha vida em campo. Hoje, eu sou do Corinthians e luto por ele”, avisou o ex-palmeirense.

Após toda a polêmica, Gabriel ficou com dois cartões amarelos no Campeonato Paulista. Assim, se for advertido contra o Mirassol, neste sábado, fora de casa, não poderá enfrentar o Santos, na rodada seguinte.