O Coritiba passou os últimos dez dias tentando ter do lado o maior reforço que poderia para tentar vencer o Paraná Clube, mas o STJD desfalcou o time do Estádio Couto Pereira. Sem a liberação, que só aconteceu na sexta-feira e que não deu tempo hábil para a homologação da partida, o jeito é encarar o Caranguejão como se fosse a própria casa e usar o conhecimento das partidas contra o Rio Branco e Iraty do local para passar pelo Tricolor. Na formação, Jeci, Leandro Donizete e Willian estão fora, mas Rafinha e Ariel estão de volta no confronto que pode valer a classificação antecipada para a próxima fase.

“É um campo neutro embora o mando seja nosso. Agora é um estádio em que já fizemos dois jogos, então a gente já começa a conhecer alguns atalhos, o estado do gramado, o comportamento da torcida na chegada ao estádio, o vestiário e isso tudo faz a diferença. Acho que estamos mais adaptados ao gramado do que o Paraná e como o mando de campo é nosso temos a obrigação de ir para cima e tentar a vitória a todo custo”, avisa o técnico Ney Franco. O ambiente não será assim tão favorável porque a expectativa de público não passa de 5 mil torcedores. Além da distância, o preço de R$ 50 para o ingresso tem inibido a galera.

Nem mesmo a possibilidade de ver Rafinha e Ariel, que retornam ao time. O primeiro cumpriu suspensão automática enquanto o outro se recuperou de uma virose. Eles serão as armas da equipe no ataque, mas na defesa a liderança caberá a Pereira. “A gente tem essa responsabilidade desde o começo, a gente sabia que iria ficar por conta de eu, o Bastos e o Jeci, os mais velhos e a gente tem feito isso”, diz o defensor.

E pode ter mais jovens. Isso porque Ney deixou para a última hora para definir se vai no 4-4-2 ou no 3-5-2. Com isso, Danilo, Dirceu, Renatinho e Demerson podem aparecer na equipe.