Ele tem uma folha esportiva
das mais vitoriosas.

Pela quarta vez, o Prêmio Brasil Olímpico se rende às conquistas de Bernardo Rocha de Rezende, o Bernardinho, e ele é escolhido pelo COB como o melhor técnico do ano.

Em 2006, Bernardinho comandou a Seleção Masculina de Vôlei na conquista do hexacampeonato da Liga Mundial, na Rússia, e do bicampeonato mundial, no Japão. Com isso, o treinador passa a somar quatro troféus do Prêmio Brasil Olímpico, já que foi escolhido como o melhor técnico em 2002, 2003 e 2004.

Os outros treinadores que já receberam o prêmio foram Larri Passos (tênis), em 2001, e Oleg Ostapenko (ginástica artística), em 2005.

?Estou superfeliz com mais este prêmio. Acredito que outros técnicos também poderiam tê-lo ganho, mas a última conquista da Seleção Masculina de Vôlei, e da maneira fantástica que foi, colaborou muito para que eu ganhasse esse prêmio. Só tenho a agradecer por mais este reconhecimento?, afirmou Bernardinho.

Carioca, 47 anos e um dos mais vitoriosos treinadores de todos os tempos, Bernardinho foi técnico da seleção feminina adulta de 1994 a 2000, mas desde 2001 comanda a seleção masculina.

Como jogador de vôlei atuou entre 1979 e 1986, sempre defendendo equipes do Rio de Janeiro. Como um dos levantadores da seleção brasileira adulta, conquistou a medalha de bronze na Copa do Mundo, em 1981, a medalha de prata no Campeonato Mundial, em 1982, e também nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984.

Em 1988 foi assistente técnico de Bebeto de Freitas nas Olimpíadas de Seul, dando início à sua vitoriosa carreira como técnico. Dois anos depois, transferiu-se para a Itália, onde comandou a equipe do Peruggia até 1992. No ano seguinte, ainda na Itália, dirigiu a equipe masculina do Modena.

De volta ao Brasil, em 1994, assumiu o comando da seleção feminina, iniciando um período de conquistas, como: o vice-campeonato mundial, no Brasil; o título do Grand Prix-94; a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg-99 e de Santo Domingo 2003; o vice-campeonato da Copa do Mundo, em 1999, e a medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Sydney 2000.

A partir de 2001, Bernardinho assumiu o comando da seleção masculina e a rotina de vitórias continuou, culminando com a medalha olímpica de ouro em Atenas 2004 e agora com o bicampeonato mundial no Japão.