Para se manter vivo na disputa por uma das quatro vagas de acesso à Série A, o Paraná Clube terá que melhorar muito o seu aproveitamento. Em especial jogando fora de casa.

Mesmo tendo obtido resultados significativos – venceu Juventude e o então Guarani -, o Tricolor tem rendimento de apenas 25% atuando como visitante. Um quadro que, se mantido, imporia a necessidade de vencer todos os onze jogos que disputará em casa e ainda torcer por combinações de resultados.

“Conseguimos uma boa atuação contra o Bragantino e temos que manter esse perfil para os próximos jogos, independente de ser em casa ou fora”, comentou o capitão Adoniran.

O desafio de Sérgio Soares, na próxima rodada, é pôr um fim nas oscilações que custaram ao Tricolor pontos importantes diante de equipes de baixo poderio. A meta da comissão técnica ainda é chegar à virada do turno com 29 pontos: ou seja, três vitórias em três rodadas, contra Campinense-PB, Vila Nova-GO e Fortaleza-CE.

Sérgio Soares completou sete jogos à frente do Paraná. Foram quatro vitórias e três derrotas. Uma performance ainda insuficiente para pensar no G4. “Perdemos pontos numa hora ruim, gerando desconfiança no nosso torcedor. Por isso, cada jogo daqui por diante é decisivo. Precisamos de uma sequência positiva para novamente conquistar os paranistas”, comentou o goleiro Ney.

“Fizemos um bom jogo contra o Bragantino, mas ainda é pouco diante daquilo que ainda necessitamos”. Na prática, o Paraná chegou à décima colocação, mas perderá postos com o desenrolar da 16.ª rodada.

Ainda não será desta vez que o Tricolor fechará uma rodada na metade de cima da tabela. Com os jogos de hoje e amanhã, poderá perder de uma até cinco posições.

“Temos a consciência de que falta muita coisa. Mas, também vimos que o time tem qualidade. Se mantivermos o foco, sem relaxamento, podemos nos aproximar em breve do grupo de cima”, acredita Ney.