Força na marcação e muita correria no ataque. Essa é a receita do Paraná Clube para vencer o Mixto, às 21h30 de hoje, em Cuiabá (MT), pela Copa do Brasil. Mal no Paranaense, o Tricolor quer usar a competição para recuperar a confiança antes de encarar o Atlético, no próximo domingo.

O técnico Paulo Comelli elegeu um culpado pelos tropeços nas últimas partidas: a falta de velocidade no ataque. Para corrigir o problema, o treinador aposta em Osmar, que fará sua primeira partida como titular, formando a dupla ofensiva com Wellington Silva.

A lentidão do setor ofensivo irritou Comelli na derrota para o Iraty, no último domingo. “A equipe, da maneira que jogou, com Lenílson e Wellington Silva no ataque, fica muito lenta. Vou colocar o Osmar esperando que ele possa imprimir essa velocidade”, explica o treinador.

Recuperado de uma contusão, Osmar garante estar pronto para assumir a tarefa. “Esse é meu ponto forte. Partir para cima da defesa com velocidade. Estou preparado para isso. Estou treinando forte fisicamente, mas lá dentro isso não importa. O negócio é chegar, jogar e dar o máximo de si”, afirma.

Com a entrada de Osmar, Lenílson volta para o meio-campo. Quem vai para o banco é o meia Gedeon, que voltou ao time titular contra o Iraty, mas não correspondeu.

“O Wellington vai ficar mais centralizado e eu vou rodar um pouco mais, procurando sair de frente para os zagueiros”, explica Osmar. Outra alteração é a entrada de Fabinho na lateral esquerda, no lugar de Edu Silva.

De olho no adversário

O Mixto pode ser um adversário desconhecido para o torcedor, mas não para o elenco tricolor. O observador técnico Luiz Antônio, o Bugo, foi enviado com antecedência para Cuiabá e assistiu aos últimos dois jogos do atual campeão mato-grossesense.

Curiosamente, o principal defeito do Paraná é apontado por Comelli como a maior virtude do adversário. “O Mixto é lento em termos defensivos, mas tem bastante velocidade no ataque. Joga em casa, com um calor de 32 graus à noite. Será dificílimo, mas precisamos de um bom resultado”, destaca.

Nem a má campanha do Mixto no estadual (venceu apenas um de seis jogos disputados) faz o técnico tricolor admitir qualquer favoritismo. “Acho que hoje o Paraná não é favorito, não. Pela maneira que vem se apresentando. Tem que jogar diferente para ser considerado favorito”, alerta.

Se vencer hoje por uma diferença de dois ou mais gols, o Paraná garante vaga na segunda fase da Copa do Brasil. Outro resultado força o jogo de volta, no dia 5 de março, na Vila Capanema. Quem se classificar encara o vencedor do confronto entre Fortaleza-CE e Desportiva-ES.