Depois de paralisação da Divisão de Acesso do Estadual 2011 e confusão sobre documentos emitidos pela Federação Paranaense de Futebol (FPF), as semifinais do campeonato devem começar sem o Foz do Iguaçu.

O recurso apresentado pelo clube da fronteira não convenceu os auditores do pleno do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-PR), mantendo assim, em julgamento realizado na noite de ontem, a perda de seis pontos no torneio pela escalação irregular do jogador Alisson. Como consequência, o Nacional de Rolândia permanece na disputa.

Durante sessão que durou cerca de uma hora e meia, o advogado do Foz, Domingos Moro, tentou expor aos auditores do pleno do TJD-PR algumas provas da inocência do clube da fronteira.

Na sua posição, Alisson não atuou irregular contra o Sport Campo Mourão, já que o lateral teria cumprido suspensão na partida anterior, que não ocorreu, contra o desistente São José.

Embasado em uma resolução da CBF e em um documento enviado pela FPF, Moro defendeu que houve um WO contra o São José e por isso Alisson poderia ter entrado em campo na partida seguinte.

“Mostrei um ofício da federação, com cópia pro Foz, considerando tal jogo um WO. Gerou desconforto total. Ficaram sem saber o que fazer”, disse o advogado. Manteve-se assim o posicionamento que a FPF deu sobre o caso após a paralisação.

O Foz, ainda assim, se viu livre de julgamento dos outros três jogos sequentes em que utilizou Alisson, o que poderia decretar o rebaixamento do clube. O presidente da FPF, Hélio Cury, aparentou estar aliviado com a decisão do TJD-PR.

“Não tem mais WO. Tanto é que o Foz pediu um documento (sobre a regularidade de Alisson contra o Sport Campo Mourão) e mandei a resposta dizendo que o jogador não cumpriria (a suspensão contra o São José)”, disse o cartola, que nem chegou a comparecer no julgamento. “Não queria nem ficar perto disso”, completou.

Está prevista para hoje a homologação da tabela, confirmando as partidas entre Nacional x Londrina e Toledo x Grêmio Metropolitano Maringá. Os jogos ocorrem no domingo. A diretoria do Foz do Iguaçu, no entanto, prometeu divulgar hoje se irá recorrer ao STJD, no Rio de Janeiro, podendo causar nova paralisação do Acesso.