Antes do clássico contra o Santos, nas rodas de bate papo de torcedores e “entendidos” de futebol, todos apostavam numa surra do Santos no Corinthians. Não para menos, já que um time vinha embalado, enquanto o outro ainda passa por reconstrução após queda na pré-Libertadores e as saídas de Ronaldo, Roberto Carlos e Jucilei. Mas, dentro de campo, foi premiada a ousadia do técnico Tite, que escalou o time corintiano com três atacantes e foi pra cima do rival, vencendo por 3 a 1, no Pacaembu, pelo Campeonato Paulista, no último domingo.

“Já assumi todas as responsabilidades do cargo, já falei tudo sobre a queda na Libertadores. Mas, agora, é outra fase. Estamos num período de reconstrução e o time começa a se ajustar”, disse Tite, que não escondeu a decepção com o fato de ter perdido, em um curto espaço de tempo, um grande número de jogadores de alto nível.

“Claro, técnico não sente prazer em ficar mudando jogadores, porém, estou motivando a todos, buscando a formação ideal nessa nova fase”, reforçou o treinador, que foi obrigado a se conformar com o elenco que tem em mãos para a continuidade da temporada.

No clássico diante do Santos, o atacante Edno nem no banco ficou e o meia Danilo não entrou na equipe. Eles podem, contudo, voltar ao time do Corinthians diante do Prudente, no próximo sábado, novamente no Pacaembu, pela décima rodada do Paulistão. No confronto, a equipe espera dar nova prova de que superou o trauma da eliminação na Libertadores, diante do modesto Deportes Tolima. “O que aconteceu na Colômbia temos de esquecer, foi um acidente de percurso. Agora é vida nova, mas com pés no chão”, pregou o atacante Dentinho.