Em sua primeira partida na Copa do Mundo, o time do Brasil não precisou se preocupar com vaias, como aconteceu nos dois amistosos de preparação, contra Panamá e Sérvia. Diante do público paulista, conhecido pela pouca paciência com a seleção, Neymar e companhia só ganharam apoio dos torcedores durante os 90 minutos da vitória sobre a Croácia, por 2 a 1, nesta quinta-feira, no Itaquerão.

A festa teve início com a cerimônia de abertura, às 15h15. Depois, o público cantou junto o Hino Nacional e estendeu o coro além do trecho transmitido no som do estádio, acompanhados pelos jogadores perfilados no gramado. A empolgação aumentou com o apito inicial e não diminuiu mesmo depois de Marcelo marcar gol contra, fazendo a Croácia ficar na frente no placar.

Sem se abater, a torcida manteve o apoio e explodiu em festa com o gol de empate, de Neymar. Depois, vibrou como se fosse um gol a marcação do pênalti sobre Fred. E pulou novamente no segundo gol de Neymar e no terceiro, de Oscar. Empolgado, o público no Itaquerão comemorou a vitória e gritou diversas vezes “Eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor”.

As vaias acabaram sobrando para a presidente Dilma Rousseff, que esteve no Itaquerão nesta quinta-feira para acompanhar a abertura da Copa. Ela recebeu apupos antes e durante o jogo, mesmo quando não aparecia nos dois telões do estádio.

ESTRUTURA – A organização na entrada da torcida no Itaquerão não se repetiu na ocupação dos assentos. Muitos torcedores sentaram em locais que não eram os mesmos do seus ingressos. Outros ocuparam uma fileira que não tinha assentos. Pessoas sem ingressos, a trabalho para empresas e patrocinadores, acabaram tendo lugar nestes postos.

Houve apenas um registro de desentendimento entre torcedores, logo resolvido pelos seguranças presentes no estádio. Outros fumaram no meio das arquibancadas, sem serem repreendidos pelos “stewards” (seguranças particulares contratados pela Fifa).

Durante o jogo, uma queda de luz assustou a torcida, no lado leste do Itaquerão, aos 16 minutos do primeiro tempo. A iluminação, contudo, voltou rapidamente e não precisou exigir a paralisação da partida. Nas arquibancadas provisórias do lado norte, também foram registradas goteiras e poças, aparentemente sem justificativa.

A imprensa foi quem mais sofreu durante o jogo de abertura da Copa. Faltou água e papel para secar as mãos nos banheiros destinados á área dos jornalistas. E as lanchonetes do setor não serviam comida, apenas bebidas.