O engenheiro Claudio Valdivia, administrador do estádio German Becker, em Temuco, olha para o céu antes de responder, mas garante que a arena mais antiga da Copa América vai fazer um bom papel ao receber a estreia do Brasil, neste domingo, contra o Peru. Como não houve nenhum evento-teste antes do jogo, existe certa preocupação com a drenagem do novo gramado por causa das chuvas seguidas que caem sobre a cidade no sul do Chile.

No último mês, a região registrou a maior quantidade de chuva dos últimos nove anos. “Mesmo com toda a chuva que caiu nos últimos dias, o gramado está perfeito”, disse o especialista. Durante a visita ao estádio que a reportagem realizou nesta quinta-feira, o gramado pareceu realmente em boas condições. Mas a administração reconhece que não houve tempo para um jogo para testar o gramado.

A confiança da organização reside em uma tecnologia inovadora, a mesma usada no estádio Nacional de Santiago, que será palco da final, e também na sede de Concepción. Logo abaixo da grama existe uma camada de areia em toda a extensão. Segundo os especialistas, o piso arenoso favorece a drenagem, absorção e o escoamento da água. Mesmo que continue a chover constantemente até a hora do jogo, a expectativa é de que o gramado não tenha poças.

Depois de uma reforma de US$ 4 milhões (R$ 12,4 milhões), o estádio com capacidade para 18 mil lugares passou nesta quinta-feira pelos últimos ajustes, concentrados principalmente na limpeza. Ainda há ingressos para a partida. Na fase de grupos, os bilhetes para os jogos do Brasil custam de R$ 75 a R$ 413.