O Santos já não consegue esconder sua crise, agravada pela derrota para o Náutico, sábado, por 2 a 1, na Vila Belmiro. E a semana começou na segunda, com Vanderlei Luxemburgo se isolando com os jogadores num canto do CT Rei Pelé. Durante 20 minutos, o técnico gesticulou, gritou e exigiu profissionalismo e dignidade ao time, já no jogo de amanhã, contra o Atlético-MG, no Mineirão.

Nos bastidores, considera-se que Luxemburgo só não é trocado por um técnico mais barato – fala-se em Mano Menezes – porque já teria recebido salários até o fim do contrato, dia 31 de dezembro.

Em seu pior momento à frente da equipe desde o retorno ao clube, em janeiro de 2006, Luxemburgo dá sinais de considerar impossível uma reação. Para voltar à briga pelo título, segundo seus cálculos, seria necessário ganhar 18 ou 19 dos 23 jogos restantes e ainda torcer por tropeços dos rivais. A situação de Luxemburgo também é complicada no clube em razão de seus desentendimentos com o presidente Marcelo Teixeira.