Ronaldinho Gaúcho soube aproveitar muito bem a fragilidade da Bolívia no amistoso de sábado, vencido por 4 a 0 em Santa Cruz de la Sierra, e se comportou na seleção brasileira como se estivesse no Atlético-MG. Com 101 jogos disputados pelo Brasil em 117 convocações, o craque se mostrou-se bem à vontade, ditou o ritmo do time, distribuiu o jogo e ganhou pontos com o técnico Luiz Felipe Scolari.

“O Felipão pediu para fazer o que eu tenho feito no Atlético. Estou em uma fase muito boa no meu clube e espero sempre poder ajudar a seleção, não importa se jogo pelo meio, pela direita ou até pela esquerda”, disse o meia, que disputa com Kaká uma vaga no grupo que defenderá o Brasil na Copa das Confederações.

Capitão da equipe, Ronaldinho também foi um líder fora de campo na passagem da seleção pela Bolívia, segundo Felipão. Aos 33 anos, o craque destacou ainda o fato de servir como referência para os mais novos. “Passei por isso e procuro ajudar eles da mesma forma que me ajudaram quando eu comecei. É um orgulho muito grande, são jovens talentos”, afirmou.

Dos jogadores convocados por Felipão para o amistoso contra a Bolívia, quatro estiveram com a seleção principal pela primeira vez: Dória, Douglas Santos, Matheus Vidotto e Leandro.