O coordenador do Procon, Algaci Túlio, recebe hoje, às 14h, na sede da entidade, representantes dos três grandes clubes da capital. O intuito é definir um acordo sobre a questão do meio ingresso para estudantes. A entidade, segundo informou a assessoria de imprensa, tem recebido muitas reclamações de estudantes, especialmente em relação ao Atlético Paranaense. O clube não está agindo de acordo com a Medida Provisória 2.208/01, expedida pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, que garante a meia entrada para todos os estudantes – mesmo aqueles que não sejam filiados às associações da classe (no caso a união de estudantes).

O Rubro-negro garante não ter conhecimento desta MP e diz estar cumprindo a lei estadual 13.723/92. “Nós aceitamos cinco carteiras de estudantes. A da UBE (União Brasileira dos Estudantes), da UNE (União Nacional dos Estudantes) da UPE (União Paranaense dos Estudantes), da UPES (União Paranaense dos Estudantes Secundaristas) e da União Municipal dos Estudantes. Estamos dentro da lei”, afirmou o diretor atleticano Jorge Piano. O dirigente acrescenta que o clube não foi comunicado da validade da MP. “Não recebemos comunicado a esse respeito.”

Interpretação

No Coritiba, o procedimento vem sendo diferente. O clube aceita a entrada de estudantes que apresentem certificado de matrícula ou boleto bancário -no caso de instituições particulares – juntamente com um documento de identificação, como orienta a MP.

No caso de carteiras de estudantes sem data de validade, o clube também solicita a apresentação de boleto ou comprovante de matrícula, para evitar a entrada de pessoas que já concluíram os estudos e tentam se beneficiar ilicitamente. “Estamos seguindo a orientação da MP para evitar a discriminação. As associações cobram taxas de filiação e alguns estudantes preferem não se filiar. Mas nem por isso deixam de ter direito à meia entrada”, explicou o advogado do Alviverde, Fernando Barrionuevo. A meia entrada também está sendo respeitada em relação às cadeiras do clube. Para estudantes, superiores custam R$ 25,00 e Inferiores R$15,00.

No Paraná Clube, a medida provisória também está sendo cumprida, mas a diretoria reclama que muitas carteirinhas de instituições de ensino não trazem o ano corrente, foto ou ainda a assinatura do responsável pela instituição de ensino. “Seria interessante que houvesse uma cobrança em cima destas carteirinhas, para que, de fato, só fossem beneficiados aqueles que realmente estudam”, diz o diretor Luiz Carlos Casagrande.