O primeiro-ministro da Itália levantou nesta terça-feira a possibilidade da suspensão das atividades do futebol no país durante dois ou três anos após o recente escândalo de manipulação de resultados. Para Mario Monti, uma paralisação poderia ser positiva para o esporte no país.

Mais de 50 prisões foram feitas recentemente na Itália em razão da investigação sobre manipulação no futebol, incluindo 14 pessoas na última segunda-feira. Outras dezenas pessoas ligadas ao esporte estão sob investigação, incluindo Antonio Conte, técnico da Juventus, atual campeã italiana.

“Não é uma proposta e muito menos uma proposta do governo. É um desejo que eu às vezes me pergunto, como um apaixonado por futebol que fui por muitos anos, e às vezes me pergunto se seria uma boa ideia uma suspensão de dois ou três anos deste jogo, dado o caos, para favorecer o amadurecimento total”, disse Monti.

Na segunda-feira, o lateral-esquerdo Domenico Criscito foi descartado da seleção italiana que vai disputar a Eurocopa pelo técnico Cesare Prandelli por estar sob investigação. Já Stefano Mauri, capitão da Lazio, estava entre as 14 pessoas que foram presas na segunda-feira.