O sul-africano Oscar Pistorius entrou para a história do atletismo na última terça-feira, ao se sagrar o primeiro atleta paraolímpico – tem as duas pernas amputadas desde os 11 meses de idade – a conseguir índice para um Mundial da modalidade, em uma prova em Lignano, na Itália. O feito foi muito comemorado por ele.

“Me sinto incrível, a pressão acabou. Estava confiante, mas nunca em minha vida pensei que conseguiria bater minha marca pessoal com esta margem”, declarou Pistorius, que garantiu vaga na competição que acontecerá na Coreia do Sul, a partir do dia 27 de agosto.

Com a marca de 45s07 nos 400 metros rasos, abaixo dos 45s25 exigidos para a disputa da prova no Mundial de Daegu, o sul-africano também conseguiu o índice necessário para disputar a Olimpíada de Londres, em 2012. Mas, para isso, ainda depende da convocação para fazer parte da equipe olímpica da África do Sul, podendo ser preterido por um atleta que tenha uma marca melhor.

“Foram entre 18 meses e dois anos de trabalho duro para conseguir chegar até aqui, mas agora preciso continuar treinando, continuar trabalhando. Estou muito animado”, afirmou o atleta.

Dono de diversos recordes no atletismo paraolímpico, Pistorius chegou a travar uma batalha jurídica com a Associação Internacional das Federações de Atletismo (Iaaf) para ter o direito de disputar a Olimpíada de Pequim de 2008. A entidade entendia que, por causa das próteses, ele teria vantagem ao competir com os atletas sem deficiência. Ele acabou vencendo a briga, mas não conseguiu o índice para os Jogos.