O goleiro Fernando Prass falou pela primeira vez após passar por cirurgia no cotovelo direito. Com a contusão, o jogador do Palmeiras ficará fora do restante da temporada e o fato de ter perdido a chance de conquistar o título do Campeonato Brasileiro, além de disputar a Olimpíada, é algo que o deixou mais chateado do que a lesão em si.

“Na hora da contusão, fui para o vestiário, tirei a camisa e vi como estava meu cotovelo e foi uma frustração tremenda. Eu havia perdido não só a Olimpíada, mas também a chance de disputar o Brasileiro com meu time, que é um dos cotados para o título”, lamentou.

Após o primeiro susto e a frustração, veio o pensamento positivo. “Depois, a gente vê que não há o que fazer, então temos que tentar tirar algo de positivo nisso. Vou ter tempo para treinar e poder me preparar bem para fazer um 2017 sendo o melhor ano de todos”, projetou.

Prass, ao lado do lateral-esquerdo Zé Roberto, foi ao lançamento do livro “Da Vitória à Conquista”, do fotógrafo Cesar Greco, obra que mostra, em fotos, a conquista do tricampeonato da Copa do Brasil, conquistada ano passado. Com o braço em uma tipoia, o goleiro foi bastante assediado.

A lesão do palmeirense ocorreu durante um treinamento da seleção brasileira, justamente em sua primeira convocação para defender o time nacional. Ele foi um dos três atletas acima dos 23 anos convocados pelo técnico Rogério Micale para disputar a Olimpíada, mas após a lesão, foi cortado e em seu lugar, Weverton, do Atlético-PR foi chamado.

Enquanto isso, no Palmeiras, Vagner teve a oportunidade, mas após falhas, perdeu espaço para Jailson, titular contra o Vitória e que será mantido para o jogo contra o Atlético-PR, domingo, em Curitiba.