Enquanto sofre em campo, com duas derrotas seguidas e um inesperado risco de rebaixamento no Campeonato Paranaense, o Paraná Clube vê a pressão interna aumentar. As cobranças para a diretoria só aumentam, e os cartolas convocaram o Conselho Deliberativo para discutir a venda de parte da sede da Kennedy. O assunto volta à tona após novos pedidos de separação entre o futebol e o clube social.

+ Especial: Thiago Neves avisa que quer se aposentar no Tricolor

O Conselhão do Tricolor foi convocado para uma reunião extraordinária nesta terça-feira (26). O encontro será justamente na Kennedy, que é para alguns uma das tábuas de salvação do clube. Inclusive entre a diretoria, que está tentando vender parte do terreno há algum tempo, e deverá apresentar aos conselheiros justamente o caminho jurídico para fazer o negócio.

+ Domingo à noite: Jhonny Lucas deve ser a novidade do Paraná contra o Cascavel CR

Em 2016, o Tricolor chegou a colocar à venda a sede social, uma área de 18 mil metros quadrados, à época avaliada pelos gestores paranistas em R$ 60 milhões. Não é possível negociar todo o terreno porque está em andamento um contrato de arrendamento de praticamente metade do espaço construído. Esse vínculo vai até 2032, e por isso não se pode mexer.

+ Fala, profe: Dado Cavalcanti pede tranquilidade em meio à crise

Há outras pendengas. O terreno em que está construído o ginásio de esportes da sede social da Kennedy, única área averbada do imóvel, foi indicado para penhora por causa da dívida que o Paraná mantém com o ex-treinador Ricardo Pinto, que comandou o clube em 2011. A certidão de penhora dizia que a Justiça não teve como obter o total da área edificada sobre o terreno da Kennedy (salões, área administrativa, piscinas e etc) pois a matrícula respectiva é “muito antiga e não traz qualquer informação quanto à indicação física do terreno”.

+ Paratiba: Clássico no estádio do Pinhão fere regulamento da FPF; entenda

A diretoria busca soluções para realizar a venda, aliviar parte das dívidas e reduzir sensivelmente os custos mensais. A medida também serviria para apaziguar o clima com a torcida Fúria Independente – apesar de apoiar a diretoria, a organizada exige o fim do clube social. Nos últimos dois jogos na Vila Capanema uma faixa com a frase “Paraná Clube é Futebol” é colocada no espaço em que a Fúria normalmente fica.

+ Confira a classificação completa e a tabela de jogos da Taça Dirceu Krüger

A reunião do Conselho Deliberativo também será o primeiro compromisso oficial do presidente Leonardo Oliveira desde o afastamento para uma cirurgia, há duas semanas. Por orientação médica, ele se afastou por alguns dias do comando do Paraná, mas esteve na quinta-feira (21) assistindo ao jogo com o Cianorte no camarote da diretoria.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!