Pierre que integrou o time que fez
sucesso no Brasileirão 2003, deve
retornar ao time da Vila Capanema.

O Paraná Clube encara o Grêmio de Maringá no “jogo da virada”, sábado, às 15h30, na Vila Capanema. Depois de quase dois anos, o tricolor volta a atuar no estádio Durival Britto, tentando amenizar a crise técnica.

Uma vitória representaria “oxigênio extra” para o clube, que segue seriamente ameaçado pelo rebaixamento e agora terá o comando interino do técnico Édson dos Santos. A diretoria decidiu reduzir os preços dos ingressos e na arquibancada o torcedor pagará somente R$ 5,00.

A Federação Paranaense de Futebol já programou o jogo para a Vila Capanema e amanhã o Corpo de Bombeiros dá o aval para a realização do jogo. A Polícia Militar já fez a vistoria e não apontou nenhum impedimento ao Durival Britto. “O estádio está bem conservado e sua estrutura funcional”, disse o capitão Machado, do Regimento da Polícia Montada. Um dos impedimentos ao estádio era a falta de pára-raios no setor de arquibancadas e cabines de imprensa. As obras já estão em andamento e dez novos pára-raios estão sendo instalados.

A “volta pra casa” motivou a significativa redução dos preços para o jogo deste sábado. O ingresso de cadeira custa R$ 10,00 e na arquibancada o torcedor pagará apenas R$ 5,00. Sócios, mulheres, menores e estudantes têm ainda a opção do meio-ingresso (R$ 5,00 e R$ 2,50, respectivamente). “O apoio do torcedor será decisivo. Sabemos que a campanha é ruim, mas temos condições de sair dessa situação a partir de um bom resultado”, afirmou o capitão Jean Carlo.

O experiente jogador acredita que a seqüência de tropeços tirou a confiança do grupo. O exemplo mais utilizado nos últimos dias é o primeiro gol sofrido em Rolândia, onde três jogadores do Paraná estavam na área e a bola, mesmo assim, entrou, num gol contra. “É hora de cada um dar um pouco mais. Se não dá na técnica, que seja na força. É preciso que a gente saia ?matando? logo de cara”, disse Jean. A missão pode ser “espinhosa”, mas o técnico-interino Édson “Neguinho” dos Santos garante que motivação não vai faltar a ele e ao grupo.

“A vida do jogador é feita de desafios e é preciso que todos tenham a certeza de que podemos dar a volta por cima”, afirmou. Neguinho já antecipou que pretende recorrer ao 3-5-2 neste jogo, contando com a volta de Gélson Baresi à defesa. Recuperado de lesão muscular, ele será o líbero neste jogo decisivo. O técnico só não deu pistas quanto à formação do meio-de-campo e do ataque e ainda depende de uma avaliação do lateral-direito Eto, que está no departamento médico.

Dirigentes tentam melhores cotas

A busca por um treinador prossegue, mas a viagem da diretoria a São Paulo teve outros “alvos” em questão. O Paraná Clube segue na luta por melhores cotas de televisão e ontem o presidente José Carlos de Miranda e o vice José Domingos estiveram na sede do Clube dos 13. Uma “visita de cortesia”, aproveitando a reunião dos integrantes da associação que “reparte o bolo” do patrocínio do Campeonato Brasileiro.

No ano passado, o Tricolor “trabalhou” junto a Eurico Miranda, mas sem grandes avanços. Arriscou, recentemente, apoio de políticos em Brasília, mas sem nenhum sucesso prático. Agora, os dirigentes buscam apoio dos presidentes de Corinthians, Alberto Dualib, e Palmeiras, Mustafá Contursi. “Temos batido nessa tecla seguidamente. Há uma disparidade muito grande entre os valores destinados ao Clube dos 13 e os demais integrantes da Série A”, disse José Domingos.

No ano passado, o Paraná teve uma cota mensal de R$ 300 mil e ainda não há confirmação dos valores para o próximo Brasileirão, que começa no dia 21 de abril. Além deste pedido, os dirigentes fizeram outros contatos. Um deles com o apresentador de tevê Carlos Roberto “Ratinho” Massa. O comunicador teria demonstrando recentemente interesse em firmar uma parceria com o clube para a exploração da área da Vila Olímpica. “Ouvimos algo a respeito e por isso agendamos esse encontro”, explicou José Domingos.

Na questão do comando técnico, o nome de Zetti ganha eco no clube, mas os dirigentes não confirmam o interesse. “Estamos procurando um treinador que tenha lastro para comandar o time no Campeonato Brasileiro. Um profissional moderno e que tenha o desejo de crescer junto com o clube”, disse Domingos. Zetti disse estar com a cabeça voltada para o Paulista – primeiro colocado do Grupo 2 do Paulistão – e não pretende deixar o time de Jundiaí.

Como nas entrelinhas o ex-goleiro do São Paulo deixa claro o desejo de trabalhar na primeira divisão nacional e o Paraná estaria disposto a não apressar a contratação de um técnico, a negociação pode evoluir. Porém, ontem, nomes como o de Ricardo Gomes e Rojas foram oferecidos ao Tricolor. “Não podemos errar e vamos trabalhar com cautela para que tenhamos um técnico capaz de nos conduzir a uma campanha vitoriosa a partir do mês que vem.”

Reforços

Na outra “ponta” das sondagens, o diretor de futebol Durval Lara Ribeiro fez vários contatos na busca por reforços para o Brasileiro. Durante o mês passado, os “olheiros” do Tricolor acompanharam diversos jogos do Paulistão e uma relação com mais de 30 nomes foi passada à diretoria. Com algumas “parcerias” em fase final de ajustes, o Tricolor vai “às compras” e tenta não incorrer nos erros do ano passado, quando montou um “time de aluguel” e não conseguiu evitar o desmanche ao final da temporada. Vavá esteve em Itu, onde o clube tem bom trânsito com o empresário Oliveira Júnior. Num primeiro estágio, a meta é definir a volta do volante Pierre.