Wellington Paulista será o companheiro
do artilheiro Galvão no ataque.

O Paraná Clube segue em uma “etapa paulista” dentro do Brasileirão. Após segurar o líder São Paulo, a meta é subir posições nos dois confrontos seguintes, frente aos representantes de Campinas. No próximo domingo, o Tricolor recebe a Ponte Preta – em “jogo de seis pontos” – e na rodada seguinte vai ao interior de São Paulo para encarar o Guarani. Resultados positivos podem assegurar ao time de Paulo Campos uma vaga entre os primeiros colocados antes da “parada” de duas semanas do campeonato brasileiro.

Os jogos só nos fins de semana permitiram ao treinador o tempo ideal para processar ajustes na equipe. O Paraná se mostrou mais coeso diante do Cruzeiro e repetiu a dose na última rodada. “É uma tendência natural, pois o time ainda estava se conhecendo. Hoje, já temos uma base bem definida, uma estrutura tática”, comentou o técnico Paulo Campos. Com o maior conhecimento das características dos jogadores, a comissão conseguiu melhorar o nível de marcação e, conseqüentemente, o Tricolor conseguiu apresentar evolução.

“E podemos crescer mais, pois o time ainda pode ser mais eficiente no aspecto ofensivo”, reconhece o treinador. O comentário diz respeito aos constantes erros de ligação nos contragolpes.

Após seis jogos, ele teve três companheiros diferentes de ataque. Já atuou com Adriano, Chokito e, agora, Wellington Paulista. “É uma questão de tempo. Mas, o mais importante é que estamos conseguindo os resultados”, disse.

Na 9.ª colocação – com aproveitamento de 55,5% – o Paraná tem uma campanha regular, mas um pouco inferior à do ano passado. Na sexta rodada de 2003, o Paraná estava em 5.º lugar. Porém, as vitórias deste ano foram sobre clubes de maior expressão. O time de Paulo Campos passou por Santos, Flamengo e Cruzeiro, enquanto a equipe de Cuca vencera Atlético Paranaense, Goiás e Bahia. Neste comparativo, a diferença em números é de apenas um ponto. Hoje o Tricolor soma 10, enquanto a turma de Renaldo e Cia. havia computado 11 pontos nas seis primeiras rodadas.

Carlos Simon tirou um gol de Galvão

O Paraná Clube vai tentar “recuperar” junto ao departamento técnico da Confederação Brasileira de Futebol um dos gols marcados pelo artilheiro Galvão. Tudo por conta de um erro do árbitro Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS). O atacante paranista já balançou as redes quatro vezes, mas em muitas listagens aparece somente com três. No jogo frente ao Flamengo, pela terceira rodada do Brasileirão, foi de Galvão o gol da virada, que assegurou a vitória por 2×1, no dia 29 de maio.

Só que o árbitro creditou na súmula o gol para Wiliam – que entrou no intervalo, fez um bom jogo, mas sequer participou do lance em questão. Foi uma jogada bem definida sem um bate-rebate na área que pudesse justificar o erro de Simon. Cláudio fez o levantamento da direita e Galvão subiu mais que o zagueiro para cabecear e vencer o goleiro Júlio César. Alertado por O Estado, o departamento de futebol do Paraná Clube está preparando ofício à CBF.

“Não sabemos qual será a postura da entidade, pois a súmula é definitiva. Mas, como houve erro, vamos tentar a alteração sem precisar acionar o departamento jurídico”, disse o supervisor Paulo Silveira.