Rafael Nadal sofreu mais do que esperava para vencer o argentino Carlos Berlocq na noite desta sexta-feira, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. Mesmo contando com apoio maciço da torcida brasileira, o tenista espanhol teve dificuldades para se impor diante do número 78 do ranking da ATP. Acabou levando a melhor com uma suada virada, com o placar de 2 sets a 1, parciais de 3/6, 6/4 e 6/4, e avançou à semifinal do Brasil Open.

Como havia acontecido na estreia, contra o brasileiro João Souza, conhecido como Feijão, o atual número 5 do mundo foi irregular nesta sexta-feira, mostrou pouca agressividade nas trocas de bola e cometeu muitos erros. Mesmo assim, segurou o bom saque de Berlocq e se credenciou para o confronto contra a grande surpresa da competição, o também argentino Martin Alund, 111° colocado do ranking, na semifinal deste sábado.

Neste sábado, ele fará a segunda semifinal do dia. A primeira envolverá o argentino David Nalbandian e o italiano Simone Bolelli, a partir das 16 horas. O jogo de Nadal contra Alund terá início logo na sequência, na quadra principal do Ginásio do Ibirapuera. O espanhol busca sua segunda final no Brasil Open – foi campeão em 2005, na única vez que disputou o único torneio de nível ATP que acontece no País.

O JOGO – Sem contar com um rival brasileiro do outro lado da quadra, como aconteceu na estreia no dia anterior, Nadal pôde receber todo o apoio da torcida local nesta sexta-feira. Em alguns momentos, os pontos conquistados pelo espanhol pareciam gols em final de campeonato de futebol, tal era a empolgação das arquibancadas.

Mas a torcida sofreu no set inicial. Nadal voltou a abusar dos erros e praticamente não ameaçava o saque do argentino. Sem agressividade, acabou perdendo o saque no sexto game. No entanto, reagiu rapidamente e devolveu a quebra. Berlocq, então, voltou a se impor no serviço do favorito e abriu 5/3, encaminhando a vitória na parcial.

Antes do fim do set, Nadal sentiu dores no pé esquerdo e apontou um suposto desnível da quadra. O árbitro precisou paralisar o jogo para que o piso fosse nivelado. Depois do desempenho decepcionante, o espanhol reagiu e deu alegrias à torcida na segunda parcial. Passou a ser mais agressivo nas disputas de bola e até vibrava a cada ponto conquistado. A arquibancada o acompanhava a cada movimento e comemorou a quebra de saque obtida no final. Assim, ele fez 6/4 e empatou o duelo.

No entanto, Nadal não conseguiu manter o ritmo no terceiro set. Ele voltou a mostrar irregularidade nos golpes e não demorou para ter o saque quebrado novamente. Berlocq abriu 3/1 e parecia ter a partida nas mãos. O espanhol, contudo, não se deu por vencido. Com a tradicional garra, devolveu a quebra e virou o set para 4/3.

O duelo voltou a ficar equilibrado. E enquanto Berlocq dava sinais de nervosismo, Nadal mostrava lampejos do bom tênis que o consagrou no circuito internacional. A vitória veio em um game em que o argentino cometeu duplas faltas, facilitando o triunfo do espanhol após 2 horas e 24 minutos de confronto.