Dois dias após marcar o gol da seleção brasileira na vitória por 1 a 0 sobre a Sérvia, na última sexta-feira, no estádio do Morumbi, em São Paulo, no último amistoso de preparação para a Copa do Mundo, o atacante Fred prometeu neste domingo que voltará a aparecer quando a equipe precisar mais dele, nos jogos mais decisivos e complicados da competição, que começa nesta quinta, quando a equipe vai enfrentar a Croácia, novamente em São Paulo, desta vez no Itaquerão.

“Posso falar por mim, o atacante às vezes não pega muito na bola. Não tenho a habilidade do Neymar, mas consigo ajudar a ele e ao Hulk, mas na hora que os jogos são mais complicados, nós somos quem está mais próximo do gol. É natural o time buscar essa referência. Então, estou louco para começar logo a Copa porque tenho certeza que todos os jogos serão difíceis. É melhor jogar partidas disputadas, a equipe me tem como referência”, disse Fred, neste domingo, em entrevista coletiva na Granja Comary, em Teresópolis, onde a seleção se prepara para a Copa.

O atacante do Fluminense voltou a agradecer a confiança do técnico Luiz Felipe Scolari nele e admitiu que poderia estar fora da seleção se o treinador fosse outro, que não gosta tanto de utilizar um centroavante, em um comentário que pode ser encarado como mais uma “alfinetada” em Mano Menezes, que deixou o comando da seleção no final de 2012.

“Graças a Deus o Felipão assumiu a seleção. Ele adora jogar com centroavantes, me deu mais oportunidades, inclusive nos momentos difíceis, como nos primeiros jogos da Copa das Confederações. Ele demonstrou confiança em mim”, afirmou.

Na última sexta, Fred marcou o gol do Brasil diante da Sérvia em um lance em que finalizou praticamente caído no chão. E ele reconheceu ser mais fácil marcar gols assim do que em jogadas de habilidade. “Se pudesse fazer gol driblando cinco, seria um sonho. Mas esquece, isso não vai acontecer”, comentou.

Fred também destacou que quando os gols não saem, tenta ajudar a seleção com um importante comportamento tático. “Tenho que melhorar em vários aspectos, mas cada um tem uma característica e respeito os meus limites. Alguma hora do jogo, o Felipão pede para sair mais, deixar espaços para o Neymar e o Hulk. Tento fazer isso”, explicou.

Autor de cinco gols em cinco jogos na Copa das Confederações no ano passado, Fred evitou prometer repetir a média de um gol por partida no Mundial. “Ano passado, falei isso, fiquei os dois primeiros sem fazer e vocês quase me mataram por isso. Agora não vou falar nada”, concluiu o centroavante da seleção brasileira.