Poucas partidas nos últimos anos de Campeonato Brasileiro carregaram tanta expectativa quanto este Flamengo x Santos. O confronto das 17 horas deste sábado no Maracanã, válido pela 19.ª rodada da competição, marcará o embate não só entre as duas melhores equipes na tabela como vai opor os times que mais têm arrancado “suspiros” dos amantes do futebol ofensivo no País e mantêm outras semelhanças marcantes, como suas legiões de estrangeiros.

Líder, com 39 pontos, já a maior pontuação do clube em um turno na era dos pontos corridos desde que o Brasileirão passou a contar com 20 times, em 2006, o Flamengo hoje está sob o comando lusitano de Jorge Jesus, calcado numa junção entre inquietude, disciplina tática, intensidade e carinho com os atletas.

Do outro lado, o estilo “desconstruído” e não menos inquieto e intenso do argentino Jorge Sampaoli, com sua fixação permanente por inovações táticas, fez com que o time paulista chegasse aos 37 pontos, desempenho melhor que em 2017, quando atingiu a marca de 35 e bateu o recorde anterior da série.

Os dois treinadores contam ainda com a participação marcante de atletas “gringos”. No elenco carioca, o espanhol Pablo Marí, o paraguaio Piris da Motta, o uruguaio Arrascaeta e o colombiano Berrío assumiram papeis importantes dentro da estratégia de “rodar” o elenco adotada por Jesus.

Do outro lado, Sampaoli dispõe de sete estrangeiros: os colombianos Aguilar e Uribe, o peruano Cueva, o venezuelano Soteldo, o costa-riquenho Bryan Ruiz, o uruguaio Carlos Sánchez e o paraguaio Derlis González. Destes, apenas Cueva e Ruiz não têm sido figuras frequentes nas escalações de um técnico que não hesita em surpreender com escalações que vez por outra dispensam até laterais de ofício. Cueva, porém, voltou a ser relacionado após quase três meses e meio sem entrar nas listas de jogadores chamados pelo comandante para as partidas.

O que separa os dois desafiantes neste sábado são as fases distintas, tendo como ponto de virada a 13ª rodada. Naquele 4 de agosto, enquanto a equipe da Baixada atingia sua sétima vitória seguida, ao atropelar o Goiás por 6 a 1, e era líder do campeonato, os cariocas sofriam um acachapante revés por 3 a 0 para o Bahia, se distanciando em oito pontos da ponta.

De lá para cá, o Fla ganhou cinco vezes, marcando 16 gols e sofrendo apenas dois, enquanto o Santos passou a amargar seu pior momento na disputa, com duas derrotas, dois empates e apenas um triunfo, sendo vazado nove vezes e anotando só sete gols.

“A equipe é forte, mas nos mantemos focados. O Mister (Jesus) já viveu fases boas e ruins. A gente sabe que nem é tanto céu nem tanto a terra. Temos que estar equilibrados para manter nosso foco”, comenta o capitão do Flamengo, Everton Ribeiro.

O discurso de humildade é mantido também pelos lados da Vila. “Acredito que seja o jogo mais difícil deste primeiro turno. Pelo que o Flamengo vem fazendo, o favoritismo é todo deles”, desconversou o atacante Marinho.