O técnico Roberto Cavalo pode ver seus planos ruírem para o jogo de amanhã às 21h, no Durival Britto frente ao Atlético Goianiense. Com dificuldades para arrumar o ataque, pretendia apostar todas as fichas no entrosamento dos meias Davi e Rafinha.

Só que Davi voltou a sentir uma lesão muscular, deixou o treino mais cedo e passou a ser dúvida para esta partida, onde o Tricolor precisa da vitória para não se aproximar perigosamente da zona do rebaixamento.

Desde que chegou ao clube, há quase um mês, ele vem procurando acertar o ataque do time. Arriscou inicialmente com Bebeto. Diante do baixo rendimento do jogador, voltou seus olhos para Wellington Silva e, por fim, para Adriano.

Porém, nenhum dos atacantes conseguiu conquistar a preferência do treinador. Cavalo chegou a estudar a possibilidade de atuar sem um centroavante de ofício. Mas, no fim, decidiu dar nova chance a Wellington Silva, que sob o comando do treinador, só fez o polêmico gol com a “mão santa”, frente ao Ceará.

Como tem maior mobilidade que Adriano, foi escolhido para jogar no ataque, sendo, na teoria, municiado por Davi e Rafinha. O técnico só não contava com uma baixa de última hora.

Na reta final do treino, Davi voltou a se queixar de dores na coxa, um problema que já o tirara, recentemente, dos jogos contra Ceará e Figueirense. O meia falou com o médico Júnio Chequim e seguiu para o vestiário. Está sob tratamento e passou a ser a maior dúvida da comissão técnica para o duelo com o Atlético-GO.

No treino, assim que Davi deixou o gramado, Roberto Cavalo escalou Bruninho na posição. O garoto, que foi titular durante boa parte do Paranaense, poucas vezes foi escalado nesta Série B.

Foi titular apenas na largada da competição, frente ao Bahia, e, depois, contra Ponte Preta e América-RN, ficou no banco de reservas, entrando na fase final. Por característica, é o jogador que mais se aproxima do perfil de Davi.

“Sei o quanto precisamos de uma vitória e eu e o Rafinha temos uma boa sintonia”, disse Davi, antes do treinamento. O jogador chegou a confirmar que o clima é de revanche, diante do que aconteceu no primeiro turno.

Na estreia de Sérgio Soares, o Tricolor levou 5×0, na maior goleada, até aqui, desta Série B. “É um resultado que ainda está atravessado na nossa garganta. Temos que vencer de qualquer jeito, não importa como saiam os gols”, comentou Davi.