Entre o elenco do Coritiba que retornou ontem aos trabalhos, já em preparação para as disputas do Campeonato Paranaense, em janeiro, um jogador, em especial, tem motivos de sobra para comemorar o retorno às atividades: Rafhael Lucas, atacante prata da casa e que viveu um drama pessoal em 2013. Revelação das categorias de base do clube, justamente em sua primeira partida como profissional, logo na estreia do Alviverde no estadual, contra o Operário, o jogador sofreu uma grave lesão no joelho direito.

Pelo irretocável início de temporada, o ano de 2013 prometia ser promissor na carreira do jovem atacante Rafhael Lucas. Recém promovido das categorias de base ao grupo profissional pelo então técnico Marquinhos Santos, pelo destaque obtido nos trabalhos de pré-temporada o jogador experimentou a sensação de ter o sonho de qualquer jogador da base ser realizado por exatos 32 minutos. Titular logo na estréia do Coxa no Campeonato Paranaense, fora de casa diante do Operário, de um choque com o zagueiro Neguete e fora do lance de bola, o jogador sofreu uma entorse no joelho direito e teve seu ano abreviado.

Recuperação

Recuperado, tanto física quanto emocionalmente, o atleta se reapresentou ontem à tarde junto com o grupo que tem a missão de iniciar o Campeonato Paranaense do ano que vem, e projeta conquistar novamente seu espaço. “Passei por muitas dificuldades nesse meio tempo. É uma situação que mexe bastante com qualquer jogador e aprendi muito nesse período. Só tenho a agradecer todo o apoio que recebi dos torcedores durante minha recuperação, mas acredito que tudo tenha sua hora certa de acontecer. Estou recuperado, e 100% fisicamente. Esse vai ser o meu ano”, afirma o atacante.

Vaga

Entretanto, Rafhael Lucas sabe que a experiência de já ter atuado pelo profissional, em um grupo formado prioritariamente por atletas do time sub-20, em nada garante vaga no time titular. “Não facilita, porque vários jogadores estão buscando seu espaço, então é importante trabalhar forte desde hoje. O que ajuda mesmo é a grande maioria do grupo se conhecer. Trabalhei três anos com o professor Zé Carlos (que comanda o time no início da competição) na base. Ter jogado com os companheiros ajuda no entrosamento em campo, e a gente pode passar o conhecimento aos outros jogadores também”, aponta.

Disputa

Entre os jogadores mais experientes e com quem Rafhael Lucas vai disputar uma vaga de titular, ou pode até formar dupla na grande área, estão os atacantes Everton Costa e ainda Keirrison, que foi companheiro de departamento médico do jovem jogador ao longo de  quase toda temporada de 2013, e que também busca um recomeço de carreira no ano que vem. “É uma honra ter o Keirrison como companheiro. Desde quando estava nas categorias de base acompanho sua trajetória, e se pintar uma dupla de ataque com ele vai ser ótimo”, finaliza.