A Alemanha repetiu a sina dos dois campeões anteriores em Copas e começou o torneio seguinte ao título sem vitória. Pior. Neste domingo (17), no estádio Lujniki de Moscou, perdeu para o México por 1 a 0.

Agora, nos dois jogos que restam, terá a missão de evitar o mesmo destino de Itália, em 2010, e Espanha, em 2014, que não conseguiram passar da fase de grupos. Em 2002, a França, campeã em 1998, também fracassou e nem chegou à fase de mata-mata.

“Não sei por que isso aconteceu com as outras seleções, mas conosco não vai acontecer. Vamos para a próxima fase”, afirmou o técnico Joachim Löw.

A derrota acaba com duas escritas. Jamais após vencer um título mundial (em 1954, 1974 e 1990) a Alemanha havia perdido na estreia da Copa seguinte. Foi também a primeira derrota em estreias da seleção sob o comando de Joachim Löw em grandes competições desde 2006.

“Temos de aceitar essa derrota e tirar as conclusões e saber que nos próximos jogos temos de ser muito melhores”, disse Löw.

No jogo contra os mexicanos, os europeus sofreram muito nos contra-ataques ao longo de todo o primeiro tempo. Foi em um deles que, aos 35 minutos do primeiro tempo, Hirving Lozano fez o gol que definiu o jogo e acabou com a marca de 563 minutos dos alemães sem estar atrás no placar em Copas.

A última vez havia sido ainda na fase de grupos de 2014, no empate em 2 a 2 com Gana.

“No primeiro tempo do jogo, jogamos muito mal. Nós não fomos capazes de impor nosso estilo de jogar tradicional, de passes e ataques precisos. Não fomos efetivos e sofremos”, afirmou Löw.

A Alemanha enfrentará na primeira fase a Suécia, no dia 23, e a Coreia do Sul, no dia 27.

Os atuais campeões mundiais estão no Grupo F, que se cruzará com o Grupo E, do Brasil, nas oitavas de final. O confronto será entre primeiros e segundos das chaves.

Com a derrota, há uma chance maior de a Alemanha ficar na segunda colocação de sua chave. Se o Brasil for o primeiro de seu grupo, se enfrentarão logo na primeira fase do mata-mata.

“Não vou pensar em oitavas, não vou pensar nisso. Temos de ganhar o próximo jogo e aí ver o que acontece”, disse Löw.

O técnico tenta resolver um problema de definição no ataque do time alemão. Desde o fim da era Klose na Alemanha a dúvida de quem será o titular persiste. Contra os mexicanos, Timo Werner, 22, do Leipzig, e Julian Draxler, 24, do PSG, começaram jogando.

No segundo tempo, precisando ao menos empatar a partida, o treinador alemão colocou três jogadores ofensivos que estavam no banco. As entradas de Reus, Brandt e Gómez não surtiram efeito.

O jogo de estreia na Copa mostrou outra falha do time alemão. A reposição do sistema defensivo demorou muito para ocorrer. A dupla de zaga, formada pelos zagueiros do Bayern, Boateng e Hummels, é sempre considerada a grande fortaleza alemã.

Do lado mexicano, a euforia das arquibancadas do estádio em Moscou parece não ter chegado ao grupo de jogadores, apesar da felicidade por derrotar a campeã do mundo.

“Temos que pensar passo a passo. Vamos começar a trabalhar para a próxima partida”, disse o atacante Chicharito Hernandez.

O goleiro Ochoa classificou o dia como “muito importante para o futebol mexicano”.

O treinador do México, Juan Carlos Osorio, disse que estudou a Alemanha nos últimos seis meses. Para derrotar os europeus, ele alterou a forma de jogar da sua equipe.

A seleção mexicana ficou com a bola em 39% do jogo e apostou no contra-ataque.

ALEMANHA

Neuer; Kimmich, Boateng, Hummels e Plattenhardt (Mario Gómez); Khedira (Reus) e Kroos; Müller, Özil e Draxler; Werner (Brandt). T.: Joachim Löw

MÉXICO

Ochoa; Salcedo, Ayala, Moreno e Gallardo; Layún, Herrera, Guardado (Rafa Márquez) e Lozano (Jiménez); Vela (Álvarez) e Chicharito. T.: Juan Carlos Osorio

Juiz: Alireza Faghani (Irã)

Assistentes: Reza Sokhandan e Mohammadreza Mansouri (Irã)

Cartões amarelos: Müller e Hummels (Alemanha); Moreno (México)

Gol: Lozano (México), aos 35 minutos do 1º tempo.